Tempo
|
A+ / A-

Papa vai a Nagasáqui e Hiroxima para rezar pela paz e desarmamento nuclear

02 out, 2019 - 14:31 • Ecclesia

Viagem à Ásia, de 19 a 26 de novembro, inclui passagem pela Tailândia, com vários encontros inter-religiosos.

A+ / A-

O Papa vai passar pelas localidades japonesas de Nagasáqui e Hiroxima, atingidas por bombas atómicas na II Guerra Mundial, para rezar pela paz e desarmamento nuclear.

O programa oficial da próxima viagem de Francisco à Ásia, que decorre entre 19 a 26 de novembro, com passagens pela Tailândia e Japão, foi divulgado esta quarta-feira pelo Vaticano.

A 32ª viagem internacional do atual pontificado começa em Banguecoque, com uma série de encontros com autoridades políticas, a comunidade católica, representantes budistas e uma audiência no Palácio Real.

Na Tailândia, o lema da viagem é “Discípulos de Cristo, discípulos missionários”; em 2019 assinalam-se os 350 anos da instituição do Vicariato Apostólico de Siam, que marcou o início da presença da Igreja Católica no país, com a missionação portuguesa.

Francisco chega ao Japão a 23 de novembro, sendo recebido em Tóquio; no dia seguinte, o pontífice visita Nagasáqui e Hiroxima.

De regresso a Tóquio, o Papa vai encontrar-se com as vítimas do chamado “triplo desastre” de 2011 -– terramoto, tsunami e acidente nuclear em Fukushima -, antes de uma visita privada ao imperador Naruhito no Palácio Imperial.

A agenda prevê a celebração da Missa e encontro com jovens católicos.

O lema escolhido para a viagem ao Japão é “Proteger cada vida”, uma das frases contidas na oração que conclui a Encíclica ‘Laudato si’ sobre a ecologia integral.

O Papa concedeu uma entrevista à televisão japonesa KTN, em que fala dos mártires cristãos e das vítimas das bombas atómicas.

Quando leio a história dos mártires cristãos, quando leio a história dessas duas cidades que sofreram o ataque atómico, sinto muita admiração pelo vosso povo. (Penso) nos mártires, com esta perseverança e esta constância na fé para defender o que acreditavam e para defender as suas convicções e a sua liberdade cristã. Depois, poder-se-ia falar de outro martírio mais humano, isto é, a bomba atómica que o povo sofreu. Eu admiro este povo, como foi capaz de reerguer-se depois desta prova infernal”.

Francisco considera que o que se provocou, lançando a bomba atómica, é “monstruoso”.

“Por isso, quero aqui repetir uma verdade: usar a energia atómica para a guerra é imoral”, declarou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+