|
A+ / A-

Tancos. Rio diz que "ninguém vai morrer" por a Comissão Permanente reunir pós-eleições

02 out, 2019 - 17:19 • Paula Caeiro Varela com Lusa

Para o líder do PSD, o assunto Tancos já “foi muito debatido na campanha eleitoral” e deve passar agora para “a sede própria que é o parlamento”.

A+ / A-

O presidente do PSD, Rui Rio, desdramatiza o facto de o parlamento ter decidido marcar o debate sobre Tancos pedido pelo partido em Comissão Permanente para depois das eleições, afirmando que “ninguém vai morrer por isso”.

“O parlamento entendeu que deve ser para a semana, por força da esquerda, é assim que será. A maioria assim decidiu”, disse Rio aos jornalistas, depois de uma visita a uma fábrica em Águeda.

Para o líder do PSD, o assunto Tancos já “foi muito debatido na campanha eleitoral” e deve passar agora para “a sede própria que é o parlamento”.

Questionado se não partilha da opinião do seu líder parlamentar, Fernando Negrão, que disse que o parlamento ficará “cego, surdo e mudo” com esta decisão, Rio deu uma resposta mais cautelosa: “Entendo que o Fernando Negrão tem razão quando diz que ainda era útil que esse debate se fizesse antes da decisão dos portugueses, entenderam que não, também ninguém vai morrer por isso.”

Sobre a realização desse debates em vésperas das legislativas poder ser visto como eleitoralismo, Rui Rio disse que tal dependeria da forma como decorresse a discussão: “Se fosse discutido e debatido com elevação, estávamos bem, se fosse sem elevação estávamos mal."

A decisão da conferência de líderes de marcar a reunião apenas para a próxima semana teve apenas a contestação de PSD e CDS-PP, levando o presidente social-democrata a concordar que isso prova que a "geringonça" está viva.

Últimaslegislativas 2019
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.