|
Jacinto Lucas Pires-Henrique Raposo
Um escritor, dramaturgo e cineasta e um “proletário do teclado” e cronista. Discordam profundamente na maior parte dos temas. À segunda e quarta, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Jacinto Lucas Pires e Henrique Raposo - Tancos e Costa na campanha - 02/10/2019
Jacinto Lucas Pires e Henrique Raposo - Tancos e Costa na campanha - 02/10/2019

H. Raposo

"Tancos já tem poeira que chegue"

02 out, 2019


Henrique Raposo e Jacinto Lucas Pires debate o último comunicado do Ministério Público sobre Tancos e como a campanha está a ser afetada pelo caso. A prestação de António Costa também é analisada.

A nota que o Ministério Público resolveu publicar na terça-feira sobre Tancos só “acrescenta confusão, boatos e pó”, defende Henrique Raposo.

Na opinião deste comentador da Renascença, “o que se passou até à acusação, o que se pensou fazer ou não é indiferente e nós não temos que saber. Tancos já tem poeira que chegue”.

Jacinto Lucas Pires também “não percebe o porquê do comunicado”.

“É um bocado aquelas crianças que dizem tantas vezes 'não fiz, não fiz, não fiz' que de certeza que fizeram”, diz.

Os dois comentadores concordam, por outro lado, que a questão deve ser debatida no Parlamento.

Sobre o facto de António Costa estar a aparecer menos na campanha leva Henrique Raposo a repetir as suas considerações sobre o líder socialista: “é um péssimo político em campanha, é um ser dos salões de Lisboa, adora o poder, adora as televisões, mas quando sai fora desse poder controlado perde o pé por completo”.

Jacinto Lucas Pires não alinha pelo mesmo diapasão, mas considera que, “por vezes, há um politiquês na forma como responde, que é criticável. Mas isso infelizmente não é propriedade de António Costa”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Dario
    02 out, 2019 lisboa 11:27
    Tancos é um caso de ESTADOS e não só de Portugal.Ficaram em perigo vidas e bens conforme a sua utilização.O caso logo que se tornou publico deveria ter sido assumido por TODOS de forma racional e considerado assunto de reserva de estado tal a sua gravidade.Quanto a COSTA mostrou grande fragilidade nos debates com Cristas e RIO principalmente a fazer contas e não explicar o caso de acesso internacional ás universidades por falta informação ou conveniência politica e discussão sobre economia com RIO..Um politico que começa governação á extrema esquerda e no ultimo ano quer os votos do centro direita,conservadores que desprezou e prejudicou foi e é a tática,veremos resultados.Costa tem poucas skils especificas e razoável jogo politico daí sair mal nas entrevistas e bem nos discursos em recinto fechado que alguém alegadamente corrige e acrescenta dados.Demonstra boa memória e agilidade com dados conhecidos mas está definitivamente colado á extrema esquerda.Quero vê-lo erigir monumento aos mortos no 25 de novembro comandados por JAIME NEVES e conseguir sensibilizar os CIDADAOS da era digital falando das ideologias que desconhecem e vao avaliar as suas açoes do governo e não estórias da carochinha,esse tempo é passado e desconhecido.Esta já elite emigra e maioria não vota.Vâo votar outras gerações mas esta não pois não se reconhece em esquerda direita mas em trabalho e desenvolvimento profissional e pessoal que a tal esquerda quer estatizante e essa era passou.Acorda Costa.
  • João Lopes
    02 out, 2019 11:11
    O Diretor do DCIAP não devia ter travado a inquirição de Costa e Marcelo. Porque Costa tinha que saber pois o Ministro em assunto tão grave informava António Costa. O Presidente tinha que saber por António Costa ou pelo Chefe da Casa Militar da Presidência. «Um Estado que não se regesse segundo a justiça, reduzir-se-ia a um grande bando de ladrões»: Agostinho de Hipona (354-430).