|
Ribeiro Cristovão
Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

​Fraca produção – fraco futebol

01 out, 2019 • Opinião de Ribeiro Cristovão


O pobre futebol que estamos a mostrar à Europa e ao mundo confirma o desinteresse como somos vistos para além das nossas fronteiras.

O campeonato da primeira Liga entrou de férias pelo incompreensível período de um mês numa altura em que uma grande parte dos jogadores participantes estão a transmitir a ideia de enormes fragilidades no plano físico, das quais deriva, naturalmente, ausência de rendimento que, nesta altura, seria perfeitamente exigível.

A jornada sete, ontem concluída com uma vitória pálida da equipa do Sporting na Vila das Aves, é o melhor espelho dessa capacidade.

Seis dos nove jogos disputados chegaram ao fim com o resultado de 1-0, sendo que três deles tiveram como protagonistas aqueles a que vulgarmente se chamam os “três grandes” perante adversários que não podem ser considerados da sua igualha.

Como se não bastasse as exibições de benfiquistas, portistas e sportinguistas, também não ajudaram a construir uma ideia segundo a qual o seu nível está muito acima da concorrência.

O pobre futebol que estamos a mostrar à Europa e ao mundo confirma o desinteresse como somos vistos para além das nossas fronteiras.

E, para além disto, um zero-a-zero, um dois-a-um e um três-a-um, marcaram uma ronda que que fica, até agora, como a mais pobre deste campeonato.

A curiosidade de ontem à noite centrava-se na Vila das Aves, onde o Sporting iria tentar mostrar nova cara sob o comando do seu novo treinador, o terceiro em sete jornadas, desde Agosto.

Os leões venceram finalmente, depois de cinco jogos consecutivos sem ganhar, e esse foi para a equipa lisboeta o aspeto mais relevante, porque para além disso pouco ficou.

Foi uma vitória importante para Silas, mas da exibição produzida devem ter sobrado enormes dores de cabeça para o novo timoneiro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Adelino Dias Santos
    01 out, 2019 Mealhada 15:59
    Tem muita razão, Sr. Ribeiro Cristóvão! Depois vemos que nem todos os nossos jogadores se adaptam bem no estrangeiro, em especial quando entram em equipas onde se joga um futebol de alto rendimento, como no Bayern-München. Na verdade, em Portugal confia.se demasiado na técnica. em prejuízo da preparação física. A actual equipa do Sporting parece não estar fisicamente preparada para competir, pois os seus jogadores raramente chegam atempadamente à bola, o que tem como consequência cometerem bastantes faltas, com as consequências que todos conhecemos. Apesar do Sr. Dr. Varandas ser médico desportivo, creio eu, atrevo-me a aconselhá-lo a contratar um bom preparador físico, em vez de andar sempre a mudar de treinador. Nas equipas de sucesso, vê-se os jogadores, com bola ou sem bola, sempre num movimento bem coordenado. No Sporting, quando algum jogador consegue chegar com a bola um pouco mais à frente, só encontra adversários pela frente e, ou perde a bola, ou tem de a jogar para trás. Simplesmente incompreensível!
  • Adelino Dias Santos
    01 out, 2019 Mealhada 15:54
    Tem muita razão, Sr. Ribeiro Cristóvão! Depois vemos que nem todos os nossos jogadores se adaptam bem no estrangeiro, em especial quando entram em equipas onde se joga um futebol de alto rendimento, como no Bayern-München. Na verdade, em Portugal confia.se demasiado na técnica. em prejuízo da preparação física. A actual equipa do Sporting parece não estar fisicamente preparada para competir, pois os seus jogadores raramente chegam atemadamente à bola, o que tem como consequência cometerem bastantes faltas, com as consequências que todos conhecemos. Apesar do Sr. Dr. Varandas ser médico desportivo, creio eu, atrevo-me a aconselhá-lo a contratar um bom preparador físico, em vez de andar sempre a mudar de treinador. Nas equipas de sucesso, vê-se os jogadores, com bola ou sem bola, sempre num movimento bem coordenado. No Sporting, quando algum jogador consegue chegar com a bola um pouco mais à frente, só encontra adversários pela frente e, ou perde a bola, ou tem de a jogar para trás. Simplesmente incompreensível!