Luís António Santos
Opinião de Luís António Santos
A+ / A-

"Isso do Populismo não chegou cá!"

30 set, 2019 • Opinião de Luís António Santos


O populismo do qual dizemos estar distantes anda por aí, à solta, nas margens de uma sociedade com problemas concretos de desigualdades e com receios (fundados ou infundados) em torno de muitos processos de decisão política.

À entrada da última semana de campanha - sobretudo depois de termos percebido que o assunto ‘Tancos’ deverá fazer-nos companhia até 6 de outubro - há um tema ao qual damos nota pública de sermos imunes: o populismo.

Desse ponto de vista, a coleta de sondagens que nos é apresentada em permanência pela Renascença parece trazer sinais tranquilizadores; as forças que assentam o grosso da sua mensagem em apelos populistas/demagógicos continuam confinada a franjas minoritárias.

Mesmo no caso de uma delas, a quem se reconhece admirável profissionalismo na gestão da sua presença online e até da exposição analógica em cartazes (acrescentando, assim, dano direto a um partido tradicional em queda livre, o CDS), estará distante de conseguir aceder à representação parlamentar.

E ainda bem, dir-se-á; ainda bem que ‘essas coisas’ não pegaram por cá como noutros países europeus. Ainda bem que o eleitorado nacional sabe rir-se... e seguir em frente.

Ora, segundo nos alerta o académico Yascha Mounk, que recentemente apresentou em Portugal o seu livro “Povo vs. Democracia”, essa leitura é arriscada. Numa entrevista ao Público disse: “Tenho a sensação de que as elites portuguesas estão a cometer o mesmo erro que já vimos acontecer no Reino Unido, na Alemanha, nos EUA, no Brasil, que é dizer: nós temos uma história diferente, estamos imunes, isso não vai acontecer aqui. Quando olhamos à nossa volta, há uma elevada probabilidade de que, mais cedo ou mais tarde, surja um partido populista”.

Se pensarmos na formatação clássica da campanha eleitoral a que temos direito - caravanas, comícios cheios de ‘convertidos’, argumentação política assente mais no confronto do que nas propostas - e se pensarmos nos níveis de abstenção (sobretudo entre os mais jovens), ficamos mais perto de entender a mensagem.

O populismo do qual dizemos estar distantes anda por aí, à solta, nas margens de uma sociedade com problemas concretos de desigualdades e com receios (fundados ou infundados) em torno de muitos processos de decisão política. E não desaparece só porque escolhemos não falar dele.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.