|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Lisboa. ​Cerca de 500 pessoas em protesto contra despejos de casas e bairros

29 set, 2019 - 22:48 • Lusa

A ação decorreu à volta de mobília trazida para a rua e que vai ser mudada para a zona do Rossio, cerca de 500 metros à frente, como forma simbólica de pedir alterações e de lembrar as mudanças que muitos moradores têm de fazer.

A+ / A-

Cerca de 500 de pessoas concentraram-se este domingo na Avenida da Liberdade, em Lisboa, para protestar contra os despejos das casas e bairros, sobretudo lisboetas, por investidores que pretendem lucrar com o imobiliário.

Várias pessoas deram depoimentos de casos de pessoas despejadas ou que não conseguem arranjar casa porque os preços, quer de venda, quer de arrendamento, se tornaram demasiado altos para os portugueses.

"Estamos aqui em protesto contra os despejos em Lisboa, mas não só. Também na Amadora, em Almada, no Porto e em muitos outros sítios", disse à Lusa uma das organizadoras da concentração, Rita Silva.

A ação decorreu à volta de mobília trazida para a rua e que vai ser mudada para a zona do Rossio, cerca de 500 metros à frente, como forma simbólica de pedir alterações e de lembrar as mudanças que muitos moradores têm de fazer.

A manifestação de hoje marca o final de um mês de ações no âmbito de um festival, que juntou grupos, artistas e pessoas individuais "em defesa da cidade para as pessoas", explicou.

Os vários grupos, que pretendem dar início a outras ações de protesto e reivindicações de mudanças de políticas, adotaram um manifesto, no qual referem que não aceitam "a lógica da cidade-lucro, do bairro-montra e da casa-investimento" dos investidores especuladores.

"Queremos casas que sirvam para morar, bairros onde possamos construir as nossas vidas, e cidades decididas por quem nelas vive", refere o manifesto.

O manifesto enumera ainda várias reivindicações, como o fim dos despejos e das demolições sem alternativa, a regulação das rendas para criar um teto máximo ou a existência de mais habitação pública de qualidade, à imagem do que existe na Holanda, na Áustria ou em França.

Além disso, a organização quer "usufruir do espaço público e de espaços sociais", como praças, largos e passeios ao abandono ou concessionados a privados, e pede uma "mudança radical no modelo de governança e de desenvolvimento das cidades", que, segundo refere, "têm sido planeadas e construídas para o lucro e não para as pessoas que nela vivem".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.