Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

​Restam poucas palavras

27 set, 2019 • Opinião de Ribeiro Cristovão


No seu histórico, o Sporting está a correr o risco de ter chegar à pior sucessão de resultados da sua longa história.

O jogo de ontem em Alvalade fez lembrar um pouco um outro que aconteceu há pouco mais de um ano no Estádio Nacional ambos dando à estampa um protagonista repetido, o Sporting Clube de Portugal.

Em ambos os casos tinha-se como dado praticamente adquirido que os leões não iriam ter capacidade para resistir, embora os adversários em causa, Desportivo das Aves e Rio Ave, estivessem ao seu alcance, como é tradicional reconhecer.

No primeiro caso, a equipa estava fortemente fragilizada pelos acontecimentos de Alcochete e pela ignominiosa gerência de Bruno de Carvalho, ontem tratava-se do prolongamento de uma agonia já visível há várias semanas e perante a qual Frederico Varandas tem sido demasiado complacente e ausente.

No seu histórico, o Sporting está a correr o risco de ter chegar à pior sucessão de resultados da sua longa história.

E, perante o desacerto, tudo tem acontecido em Alvalade. Por exemplo: no jogo de ontem, o estreante guarda-redes Maximiano ficou fora da fotografia oficial da equipa, Jovane ia entrar em campo com a camisola de Gonzalo Plata o que deu azo a que a substituição demorasse vários minutos para ser concretizada.

É necessária melhor imagem do atabalhoamento que se vive no reino do leão.

Com o resultado frente à equipa do Rio Ave, o Sporting pode ter comprometido a possibilidade de ir longe na Taça da Liga, cuja conquista lhe competia defender.

Agora vem aí novo treinador, o quinto no curto reinado de pouco mais de um ano do Presidente em exercício.

Ver-se-á se Silas vai ter capacidade para minimizar os estragos já provocados por uma fogueira incandescente.

O jogo de ontem em Alvalade fez lembrar um pouco um outro que aconteceu há pouco mais de um ano no Estádio Nacional ambos dando à estampa um protagonista repetido, o Sporting Clube de Portugal.

Em ambos os casos tinha-se como dado praticamente adquirido que os leões não iriam ter capacidade para resistir, embora os adversários em causa, Desportivo das Aves e Rio Ave, estivessem ao seu alcance, como é tradicional reconhecer.

No primeiro caso, a equipa estava fortemente fragilizada pelos acontecimentos de Alcochete e pela ignominiosa gerência de Bruno de Carvalho, ontem tratava-se do prolongamento de uma agonia já visível há várias semanas e perante a qual Frederico Varandas tem sido demasiado complacente e ausente.

No seu histórico, o Sporting está a correr o risco de ter chegar à pior sucessão de resultados da sua longa história.

E, perante o desacerto, tudo tem acontecido em Alvalade. Por exemplo: no jogo de ontem, o estreante guarda-redes Maximiano ficou fora da fotografia oficial da equipa, Jovane ia entrar em campo com a camisola de Gonzalo Plata o que deu azo a que a substituição demorasse vários minutos para ser concretizada.

É necessária melhor imagem do atabalhoamento que se vive no reino do leão.

Com o resultado frente à equipa do Rio Ave, o Sporting pode ter comprometido a possibilidade de ir longe na Taça da Liga, cuja conquista lhe competia defender.

Agora vem aí novo treinador, o quinto no curto reinado de pouco mais de um ano do Presidente em exercício.

Ver-se-á se Silas vai ter capacidade para minimizar os estragos já provocados por uma fogueira incandescente.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.