|
Luís António Santos
Opinião de Luís António Santos
A+ / A-
Legislativas 2019

Marcelo ficou sem pé... pela primeira vez neste mandato

26 set, 2019 • Opinião de Luís António Santos


O habitual tom ponderado do Presidente (de quem fala na certeza do que vai acontecer ‘quatro ou cinco jogadas à frente’ no xadrez da política nacional) foi, por instantes, substituído por uma reação quase visceral, desproporcionada, de quem se sente acossado.

Há dois dias, em Nova Iorque, a propósito de revelações em torno do caso do furto de armas em Tancos, Marcelo Rebelo de Sousa disse o seguinte: “Mas para que não restem dúvidas, por uma questão, não só de honra pessoal, mas porque estou aqui a defender a posição de Portugal, é bom que não esteja a defender a posição de Portugal na assembleia-geral das Nações Unidas ao mesmo tempo que surge uma vaga dúvida sobre se o Presidente é criminoso, é bom que fique claro que o Presidente não é criminoso.”

Este foi, creio, um dos raros momentos em que o chefe de Estado, hábil gestor da sua comunicação estratégica, deu um passo em terreno menos firme.

O habitual tom ponderado (de quem fala na certeza do que vai acontecer ‘quatro ou cinco jogadas à frente’ no xadrez da política nacional) foi, por instantes, substituído por uma reação quase visceral, desproporcionada, de quem se sente acossado. E isso – imagina-se que a contragosto do próprio Presidente – tornou o evento no ponto central das agendas políticas de um dos primeiros dias de campanha eleitoral, mesmo que a generalidade dos líderes partidários (Rui Rio sendo, talvez, a exceção mais visível) tenha feito uma esforço imediato para o afastar.

Entende-se bem que o Presidente não queira ser foco de atenção durante uma campanha para eleições legislativas e entende-se ainda com mais facilidade que os partidos se contorçam todos quando a sua agenda própria é capturada por uma figura com tanto apelo popular. Mas talvez fosse importante perceber melhor o que perturbou tanto a compostura de Marcelo e que ligação poderá isso ter com a forma como, ocasionalmente, a nossa vida política é afetada por fugas de informação cirúrgicas (neste caso, alegadamente, com base numa escuta telefónica que nem sequer integra o processo).

Este é daqueles assuntos que não devia ficar guardado para um livro de memórias.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Vera Costa
    28 set, 2019 10:17
    Depois de ler este artigo, eu tenho a certeza que alguém, directa ou indirectamente o acusou ou acusou o país! suponhamos que o Sr. Presidente Rebelo de Sousa, ouviu qualquer coisa como: este país, ou os portugueses, são assassinos ou trafulhas ou vigaristas ou mentirosos, qualquer coisa do género! É ele que representa o país, está no seu direito de se defender e defender o país!!! mais nada. Eu acredito nele! ninguém defende ou se interessa por este país, mais do que ele! E escusam de vir com lérias!...