|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Diário da Campanha

​Costa promete continuar irritantemente otimista, sobre Tancos é que nada

26 set, 2019 - 00:55 • Susana Madureira Martins

O secretário-geral do PS prometeu, num comício em Loulé, que vai continuar "irritantemente otimista" numa semana marcada pelo fantasma de Tancos que António Costa recusa comentar​.

A+ / A-

O dia de campanha acabou com um comício ao ar livre no centro de Loulé, música de Vangelis a animar uma noite algarvia muito fria, muitas bandeiras, cenário vermelho com o já habitual slogan de campanha "fazer ainda mais e melhor", mas sobre o assunto da semana, ou seja Tancos e as declarações do Presidente da República, nada.

O secretário-geral do PS evitou dizer o quer que fosse sobre o assunto, à entrada para um almoço em Lisboa disse que é um caso "da justiça" e nem mais uma palavra.

O contacto com os jornalistas foi mesmo evitado. Antes do comício em Loulé, Costa esteve numa arruada em Faro, ação que tinha estado agendada e depois cancelada, mas acabou mesmo por realizar-se sem que a maioria dos jornalistas que acompanham a caravana socialista pudessem estar presentes.

No discurso à noite a única referência ao Presidente da República foi absolutamente subliminar. António Costa apoiou-se numa frase de Marcelo Rebelo de Sousa que descreveu o primeiro-ministro como "irritantemente otimista" para prometer que vai "continuar a ser irritantemente otimista".

Costa acentuou esta tecla referindo que o que o "ajudou a ser otimista" foi a sua "enorme confiança nos portugueses", rematando com um "temos de continuar irritantemente otimistas", alargando o leque do otimismo necessário para "fazer mais e ainda melhor".

No comício noturno de Loulé, o líder do PS avisou que "há muita gente a fazer contas com as eleições, que não se perdem nem se ganham com sondagens" e que "quem quer mais quatro anos de estabilidade que vote no PS".

Antes, Costa acenou pela primeira vez com uma espécie de papão dos socialistas, ou seja, o regresso do centro de direita ao poder. Uma direita que "com tanto medo do diabo nada garante que chegando ao poder para evitar o diabo não façam tudo isto andar para trás", dando exemplos do que pode recuar: que "os passes desapareçam, os salários voltem a ser cortados, impostos aumentados e as pensões de novo cortadas".

Um comício que contou com a presença do antigo ministro das Obras Públicas João Cravinho, que não discursou, do poeta Nuno Júdice que discursou para dizer que apoia e vai votar no PS.

Últimaslegislativas 2019
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.