Tempo
|
A+ / A-

BPI alerta para fraude. Falsos colaboradores estão a recolher dados pessoais

26 set, 2019 - 06:55 • Lusa com Redação

Banco avisa que estão a ser feitas algumas chamadas telefónicas, por indivíduos que se fazem passar por colaboradores do BPI.

A+ / A-

O BPI alertou os clientes para chamadas telefónicas que estão a ser feitas por falsos colaboradores do banco com o objetivo de recolher, ilicitamente, dados pessoais para posterior utilização fraudulenta.

"Estão a ser feitas algumas chamadas telefónicas, por indivíduos que se fazem passar por colaboradores do BPI, que têm como único objetivo a obtenção ilícita de dados pessoais para posterior utilização fraudulenta no BPI Net, BPI APP ou no BPI Net Empresas", lê-se no e-mail enviado aos clientes, a que a Lusa teve acesso.

A instituição financeira sublinhou ainda que, no decorrer das chamadas, os clientes são questionados sobre operações que não conhecem, "sendo informados de seguida que serão enviados códigos SMS para anular as operações suspeitas", sendo que esses códigos servem para realizar "as referidas operações fraudulentas".

No documento, o banco apela ainda aos clientes que, caso recebam uma comunicação semelhante, não forneçam quaisquer dados.

"O BPI recorda que em situação alguma solicita informação sobre códigos de autorização enviados por SMS, o preenchimento do cartão pessoal de coordenadas ou validação do número de telemóvel" e que "a coordenada ou código de autorização SMS apenas são solicitados para confirmar operações iniciadas pelo cliente", concluiu.

Em resposta à Lusa, o BPI disse que tomou "as medidas necessárias, nomeadamente informando os clientes através de todos os canais do banco e disponibilizando o número de contacto para esclarecimento de dúvidas", notando que a situação está "sob controlo".

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.