|
A+ / A-

Elisa Ferreira recebe "luz verde" de comissão do Parlamento Europeu

25 set, 2019 - 12:53 • Lusa

Comissão de Assuntos Jurídicos tinha levantado questões sobre a comissária indigitada por Portugal. Dissipadas as dúvidas, Elisa Ferreira deverá ser ouvida no dia 2 de outubro.

A+ / A-

A comissão de Assuntos Jurídicos do Parlamento Europeu (PE) deu "luz verde" à comissária indigitada por Portugal depois de analisar os esclarecimentos adicionais que havia solicitado.

A aprovação foi dada nesta quarta-feira, revela a agência Lusa, citando fontes parlamentares.

O caso de Elisa Ferreira "está fechado" e que a comissão de Assuntos Jurídicos (JURI) do Parlamento irá agora enviar uma carta à comissão do Desenvolvimento Regional, responsável por ouvir a comissária designada, indicando que a audição pode acontecer.

A comissária indigitada por Portugal será ouvida em 2 de outubro em Bruxelas, numa audição que terá início às 18h30 (menos uma hora em Lisboa), com a participação de eurodeputados das comissões de Orçamentos e de Assuntos Económicos e Monetários.

Eventuais conflitos de interesses

A comissão de Assuntos Jurídicos (JURI) é responsável por avaliar "conflitos de interesses potenciais ou reais dos comissários indigitados" pela presidente eleita do executivo comunitário, Ursula von der Leyen.

Nesse sentido, tinha levantado, na quinta-feira, questões sobre Elisa Ferreira, por a anterior vice-governadora do Banco de Portugal deter ações no grupo Sonae. Pediu, por isso, esclarecimentos adicionais.

No mesmo dia, em comunicado, a equipa da comissária indigitada deu conta de que, "perante questões levantadas sobre a detenção de ações da Sonae SGPS", Elisa Ferreira tinha decidido dar ordem de venda às ações, com o valor estimado de 13.800 euros.

"A JURI perguntou-me de se eu não poderia vender uma participação acionista muito pequenina numa empresa portuguesa e eu, imediatamente, até antes da carta [daquela comissão] chegar já tinha vendido, porque de facto não tinha nenhum interesse naquilo, e se aquilo era perturbador, tudo bem", esclareceu, na terça-feira, em declarações aos jornalistas portugueses em Bruxelas.

Segundo Elisa Ferreira, "foi o único assunto que o PE levantou" sobre si, considerando que "o escrutínio dos conflitos de interesses das pessoas faz parte" do processo e que é "muito bom que sejam postas as coisas de uma forma clara".

"É, no fundo, criar as condições para que, se tudo correr bem, a fase que agora se inicia, seja uma fase em que não haja dúvidas que surgem sobre o que é que move as pessoas no exercício das suas funções", completou a comissária indigitada, nas declarações após ter estado reunida com o presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Petervlg
    25 set, 2019 Trofa 14:05
    vendeu as ações da Sonae e se agora comprar as ações?