Tempo
|
A+ / A-

Cristas e Tancos. Silêncio sobre Marcelo e "foco no Governo conivente ou cúmplice com farsa"

25 set, 2019 - 12:05 • João Cunha com Redação e Lusa

A líder do CDS conseidera que o caso de Tancos constitui motivo para "uma penalização do PS nas urnas".

A+ / A-

A líder do CDS, Assunção Cristas, recusou, esta quarta-feira, comentar a necessidade sentida pelo Presidente da República de dizer que não era criminoso a propósito do caso Tancos e apelou a uma penalização do PS nas urnas.

"O Governo atuou mal, não acautelou o furto e, aparentemente, foi conivente ou cúmplice de uma farsa montada para a recuperação do material. Degradou profundamente as instituições do Estado, degradou a nossa democracia", disse a líder centrista, à margem de uma visita à fábrica da Continental, em Vila Real, integrada na campanha para as legislativas.

Cristas assume que "o foco" do CDS em relação ao caso de Tancos é o Governo do PS, que deve ser castigado pelo eleitorado.

"As pessoas têm na sua mão a melhor arma, a melhor ferramenta para mostrarem se convivem bem ou mal com este tipo de situação. É no dia 6 de outubro, é no voto nas urnas [que a podem usar]. Neste momento, o que é importante é que as pessoas se posicionem em relação a um Governo que atuou muito mal. Este é o nosso foco e não farei qualquer outro comentário sobre o assunto", rematou Assunção Cristas.

Na terça-feira, em Nova Iorque, o Presidente da República reiterou nunca ter sido informado, por qualquer meio, sobre o alegado encobrimento na recuperação das armas furtadas de Tancos, e sublinhou que "é bom que fique claro" que "não é criminoso".

"Espero que seja a última vez que falo sobre a matéria, até porque se aguarda a todo o momento a acusação, no caso de ela existir, e o que haja a investigar contra quem quer que seja, sem qualquer limitação, seja investigado", afirmou.

A TVI noticiou nesse dia que o major da PJ Militar Vasco Brazão se referiu, numa escuta telefónica, ao Presidente da República, como o "papagaio-mor do reino", que, segundo ele, sabia de tudo.

Em declarações à TVI, o advogado de Vasco Brazão, Ricardo Sá Fernandes, afirmou que tal afirmação "não teve em mente atingir o Sr. Presidente da República".

"De resto, o meu representado não tem conhecimento que o sr. Presidente da República estivesse a par dos factos relativos ao achamento do material de guerra furtado em Tancos", disse Ricardo Sá Fernandes, àquela televisão.

O furto de armas de guerra nos paióis de Tancos foi divulgado em 29 de junho de 2017.

Um dos arguidos do processo é o ex-ministro da Defesa Nacional José Azeredo Lopes, que está proibido de contactar com os outros arguidos, com o seu ex-chefe de gabinete e com o antigo chefe de Estado Maior do Exército, general Rovisco Duarte.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.