Luís António Santos
Opinião de Luís António Santos
A+ / A-

​Como é que o PAN chega a "gigante" nas redes?

23 set, 2019 • Opinião de Luís António Santos


O PAN é o partido que entra a ganhar nesta campanha. Tem conseguido apresentar a sua agenda e, em muitas circunstâncias até, fazer dela eixo das ações de outros agentes políticos, dos média e das conversas entre os eleitores.

São inúmeras as chamadas frases feitas que aludem à exposição pública como tendencialmente positiva. No universo comercial existem até expressões para caracterizar o reconhecimento de uma marca, a sua ‘visibilidade’ na nossa memória imediata. Esta postura ‘Falem bem ou falem mal, mas falem de mim’ parece ser o registo mais adequado para caracterizar a centralidade do PAN nos debates públicos emergentes até ao arranque formal da campanha eleitoral.

Parte dessa centralidade deve-se, certamente, a um eficaz trabalho daquele partido, mas é importante perceber que resulta ainda da ajuda de algumas outras forças políticas (ao pronunciarem-se várias vezes, apenas em termos reativos, a diversos temas), da atenção dos média (onde – admito – será necessário incluir também este texto) e da esmagadora presença nas conversas em contexto de redes sociais.

O PAN é, neste sentido, o partido que entra a ganhar nesta campanha. Tem conseguido apresentar a sua agenda e, em muitas circunstâncias até, fazer dela eixo das ações de outros agentes políticos, dos média e das conversas entre os eleitores.

De acordo com dados fornecidos pelo Facebook – a mais proeminente rede social em Portugal – a página do PAN captou, na última semana, quase 25 mil interações, com uma média de 7,7 publicações por dia. Por contraponto, o partido que lidera de forma confortável as sondagens, o PS, andou perto das 19 mil interações, precisando para isso de publicar mais de 10 novos textos/fotos/vídeos por dia.

É verdade que não podemos nem devemos fazer leituras simplistas deste tipo de dados e é igualmente verdade que nem toda a ação política nacional passa pelas redes mas se alguma coisa nos podem ter ensinado experiências políticas recentes em países tão distintos como a Hungria, a Itália, o Brasil, os Estados Unidos ou o Reino Unido (com o Brexit) é que é errado subestimar a sua influência e preponderância na formação de opiniões.

O PAN entra na campanha a sério numa situação muito confortável. Será interessante perceber, ao longo das próximas duas semanas, como se posicionam os outros partidos para tentar alterar esta situação.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.