|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Legislativas 2019. PNR inicia campanha a tapar mural do BE

23 set, 2019 - 20:52 • Celso Paiva Sol

Ação do partido de José Pinto Coelho ficou marcada por protestos de alguns estudantes do Técnico. A PSP foi chamada e impediu confrontos.

A+ / A-
PNR pinta mural do Técnico grafitado pelo Bloco de Esquerda
PNR pinta mural do Técnico grafitado pelo Bloco de Esquerda

A ação estava prometida há quase uma semana e acabou por se transformar no arranque formal da campanha do Partido Nacional Reformador (PNR) para as eleições legislativas de 6 de outubro.

Em poucos minutos, meia dúzia de militantes, duas trinchas e uma lata de tinta, fizeram desaparecer o mural que o Bloco de Esquerda (BE) tinha pintado num dos muros frontais do Instituto Superior Técnico, em Lisboa.

José Pinto Coelho, o presidente do PNR, não teme qualquer sanção por dano material de propaganda eleitoral, simplesmente porque acha que fez o que está correto.

Já sobre objetivos para esta campanha, José Pinto Coelho diz que a ideia é entrar na Assembleia da República.

Aos poucos, já com a pintura praticamente concluída, a ação foi atraindo curiosos, a maior parte estudantes do Técnico, e não tardou até que alguns se começassem a insurgir contra aquilo que o PNR ali estava a fazer.

Apareceu um cartaz improvisado, com as frases “25 de Abril Sempre”, “Fascismo Nunca Mais”, e isso trouxe alguns minutos de tensão com palavras de ordem e conversas mais acesas.

Não passou disso, até porque, entretanto, chegou a polícia, com seis ou sete viaturas, o que em número de elementos já superava os participantes naquela discussão de rua.

Vários dirigentes do PNR foram identificados, dados que agora irão chegar à Comissão Nacional de Eleições (CNE) e assim chegou ao fim esta ação de campanha.

Últimaslegislativas 2019
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.