A+ / A-

Linhas editoriais e profissionais da Media Capital serão mantidos, diz Cofina

21 set, 2019 - 17:07 • Redação com Lusa

Paulo Fernandes diz que conta com todos os profissionais da empresa comprada, desde que estejam “dispostos a colaborar” no novo projeto, mas o Sindicato dos Jornalistas quer mais explicações.
A+ / A-

O presidente do Conselho de Administração da Cofina, Paulo Fernandes, garantiu este sábado aos trabalhadores do grupo que o acordo com a espanhola Prisa pretende manter "linhas editoriais" e "todos os profissionais" dispostos a colaborar no novo projeto.

Numa carta enviada aos trabalhadores, a que a agência Lusa teve acesso, Paulo Fernandes diz que o projeto da Cofina passa "por manter as linhas editoriais dos diferentes meios de comunicação social que detém, bem como todos os profissionais que estejam dispostos a colaborar neste novo projeto".

A Cofina SGPS anunciou esta sexta-feira que chegou a acordo com a espanhola Prisa para comprar a totalidade das ações que detém na Media Capital, valorizando a empresa em 255 milhões de euros.

"Após um intenso período negocial, foi concluído um importante passo no sentido de assegurar o desenvolvimento e o crescimento da empresa e a sua sustentabilidade futura", refere o responsável, especificando que os ativos detidos pela Cofina terão uma ampla complementaridade com os ativos detidos pela Media Capital, partilhando valores como a independência, a total autonomia das linhas editoriais dos diversos meios, e a sustentabilidade financeira.

"Esta aquisição garante a existência de um grupo de media independente e capaz de reforçar o papel que os media têm enquanto pilar essencial à vida de uma sociedade democrática", lê-se ainda no documento.

No que diz respeito à atividade de produção, segundo Paulo Fernandes, "o caminho passará por intensificar a criação de conteúdos de perfil exportador, tendo em vista a transposição para a legislação nacional da designada 'diretiva Netflix'".

"O novo Grupo Cofina constituir-se-á como uma plataforma capaz de assegurar aos portugueses uma oferta diversificada de conteúdos de informação e entretenimento, através da imprensa escrita, televisão e rádio, seja 'offline' ou 'online'", reforça.

Caso a aquisição venha a ser aprovada pelos reguladores, o seu financiamento estará assegurado através de crédito bancário já aprovado e da realização de um aumento de capital, como foi hoje comunicado ao mercado.

"Excluindo a percentagem do capital em ‘free-float' [capital disperso], o aumento de capital está garantido em mais de 50% pelos atuais acionistas de referência, sendo, no entanto, possível que entrem novos investidores com posições qualificadas", explica o líder da Cofina.

Sindicato quer explicações

O Sindicato dos jornalistas está preocupado com os efeitos da compra da media capital pela Cofina.

A presidente do Sindicato dos jornalistas, Sofia Branco, diz que a experiência mostra que nem sempre é isso que acontece.

“Preocupa-nos o impacto labora, porque aquilo a que temos assistido quando há uma fusão deste tipo é que se traduz sempre em redução de postos de trabalho e emagrecimento de redações. É óbvio que isto tem para nós, sobretudo, este impacto e esta preocupação de proteger os trabalhadores destes órgãos de comunicação”, diz.

Sofia Branco receia, ainda, o potencial impacto que esta união pode significar no que se refere à pluralidade e diversidade da informação. Pede, por isso, que a Entidade Reguladora da Comunicação que se pronuncie.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.