|
Ribeiro Cristovão
Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

​A meio gás

20 set, 2019 • Opinião de Ribeiro Cristovão


Quatro equipas nacionais, duas vitórias, duas derrotas, ou seja, os estragos ficaram-se por metade. Em princípio fica a ideia de, apesar de tudo, não foi muito mau.

No entanto, revendo os jogos realizados nesta quinta-feira, fica-se com a ideia de que o saldo poderia ter sido maior.

O Futebol Clube do Porto cedo embalou para uma vitória que acabou por se tornar menos fácil do que se previ. A equipa suíça não pode ser comparada à portuguesa, daí ter-se imaginado um resultado mais dilatado e uma vitória mais tranquila.

Surpresa foi a vitória do Sporting de Braga no estádio do Wolverhampton. Sabe-se, por experiência de muitos anos, quão difícil é jogar na Inglaterra. No conjunto dos jogos disputados a nível de clubes e seleções o saldo apresenta-se-nos muito desfavorável, o que faz aumentar a valia deste triunfo da equipa comandada por Sá Pinto.

Duas derrotas, ambas com ressaibos de alguma injustiça, já que, em ambos os casos, houve algum contributo de jogadores das equipas portuguesas.

Em relação ao Sporting, o desfecho é injusto: para ele contribuíram, no entanto, os erros defensivos, a nível individual e de conjunto, e a falta de eficácia nos momentos decisivos no seu ataque.

Especial destaque para o jovem Pedro Mendes, a quem bastaram 72 segundos para, depois de entrar em campo, visar com sucesso a baliza holandesa. Por isso se estranha que o jovem sub-23 não tenha sido incluído nas provas nacionais.

O Vitória de Guimarães estava a comportar-se muito bem até que um dos seus jogadores decidiu fazer de avançado contrário. E, quando isso acontece, complicado se torna evitar que as coisas passem a correr de forma melhor.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.