O Mundo em Três Dimensões
Números que contam histórias de segunda a sexta-feira (05h40, 17h50 e 21h05).
A+ / A-
Arquivo
O Mundo em Três Dimensões - Demência - 20/09/2019
O Mundo em Três Dimensões - Demência - 20/09/2019

O Mundo em Três Dimensões

Quanto custa a demência?

20 set, 2019 • Marta Grosso , Paulo Teixeira (sonorização)


Assinala-se no sábado o Dia Mundial da Pessoa com Doença de Alzheimer. É a forma mais comum de demência. Mas sabe que custos comporta?

Há 50 milhões de pessoas com demência em todo o mundo. Até 2050, o número deverá atingir os 152 milhões.

O envelhecimento da população está entre os fatores deste aumento, mas não só. O estilo de vida atual também contribui para a doença de Alzheimer.

Em todo o mundo, o número de horas despendidas para cuidar destes doentes ascende a 72 milhões de horas. 71% deste tempo é da responsabilidade das mulheres.

O custo estimado da demência é de mil milhões de dólares por ano – o mesmo que representa a população da Coreia do Sul ou da vizinha Espanha.

Daqui a sensivelmente 10 anos, em 2030, o custo terá aumentado para dois mil milhões de dólares – ou seja, o equivalente a toda a população da Rússia.

Para já, a doença de Alzheimer não tem cura. Existem apenas tratamentos que se destinam a aliviar os sintomas e a retardar o fim, que acaba por ser a morte.

Nos Estados Unidos, a demência já mata mais do o cancro da próstata e da mama juntos. E, em Inglaterra e no País de Gales, é mesmo a principal causa de morte.

Os números não animam ninguém, mas, mas do que desanimar, devem servir para agir. Se é uma pessoa sedentária, mexa-se. Exercite o corpo e a mente. Deixe de fumar e não abuse do álcool.

Sim, são as recomendações do costume, mas, se analisarmos bem, parece que seguir estes conselhos nos evitam várias chatices no futuro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.