A+ / A-
Golas antifumo

Constituído arguido, presidente da Proteção Civil não se demite

19 set, 2019 - 13:53 • Redação

Mourato Nunes diz que "não concede nas imputações invocadas quanto ao seu envolvimento" no processo relacionado com as golas antifumo.
A+ / A-

O presidente da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), Mourato Nunes, garantiu esta quinta-feira que não vai demitir-se do cargo depois de ter sido constituído arguido no caso das golas antifumo.

Em nota enviada à Renascença, "o presidente da ANEPC confirma que, ao início da manhã de ontem, foi constituído arguido no processo relativo ao 'Programa Aldeia Segura Pessoas Seguras'". O organismo contrapõe que, "não obstante" a decisão do Ministério Público e como o próprio "teve oportunidade de transmitir a toda a estrutura da ANEPC", Mourato Nunes "não concede nas imputações invocadas quanto ao seu envolvimento em quaisquer que possam ser os factos deste processo".

Nesse sentido, é adiantado na mesma nota, "continuará a colaborar ativamente com a Justiça, como é aliás seu dever, não deixando, porém, de exercer todos os direitos que o referido estatuto lhe confere, em sua defesa e no sentido do apuramento da verdade".

Mourato Nunes, tenente-general e ex-comandante geral da GNR, foi constituído arguido na quarta-feira juntamente com o secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, que pouco depois se demitiu do cargo. Também ontem, e no âmbito deste mesmo processo, o Ministério da Administração Interna (MAI) foi alvo de buscas, a par da sede da Proteção Civil e da empresa fornecedora das golas inflamáveis.

Segundo o MAI, Artur Neves invocou "razões pessoais" para abandonar a secretaria de Estado. Dada a proximidade das eleições legislativas, o demissionário não será substituído, sendo o cargo assumido pela tutela.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 19 set, 2019 18:27
    " DADA A PROXIMIDADE DAS ELEIÇÕES LEGISLATIVAS ", nem a propósito. Senhoras e Senhores Jornalistas por favor façam uma PERGUNTA aos Partidos da " DITA GERINGONÇA ," assim que puderem: QUANTAS DEMISSÕES JÁ HOUVE NESTES GOVERNOS desde 2015 a 2019.
  • Carlos Monteiro Pereira
    19 set, 2019 16:51
    Estes homens que ocupam lugares públicos para se servir,são a vergonha dum país,que se diz civilizado.O governo não os demite, enquanto verificar, que segundo as sondagens ,o povo está contente.