A+ / A-

Papa lança provocação. “De cobardes passaram a corajosos. Porquê?”

18 set, 2019 - 12:25 • Aura Miguel

Na audiência geral desta quarta-feira, Francisco valorizou o exemplo dos mártires.

A+ / A-

Na habitual catequese das quartas-feiras, no Vaticano, o Papa fez uma reflexão improvisada, recordando o exemplo dos mártires: não tenhas medo desde que confies.

Na sua intervenção elogiou a coragem de quando a pessoa não está centrada em si, pois se confia na força do Espírito Santo passa a corajoso.

“A coragem dos apóstolos era impressionante e sabemos como dantes eram cobardes, tinham todos fugido quando Jesus foi preso. Mas de cobardes passaram a corajosos. Porquê? Porque o Espírito Santo estava com eles. O mesmo acontece connosco: se temos cá dentro o Espírito Santo, teremos a coragem continuar em frente, a coragem de vencer tantas lutas, não graças a nós, mas ao Espírito Santo que está em nós”, afirmou.

Francisco sublinhou que esta mesma coragem continua a ser testemunhada pelos mártires de todos os tempos, até aos dias de hoje. “Mártires que dão a vida e não escondem que são cristãos. Pensemos, há quatro anos, naqueles trabalhadores, coptas ortodoxos cristãos, na praia da Líbia, todos degolados. Mas a última palavra que disseram foi ‘Jesus, Jesus’. Não abandonaram a fé porque o Espírito Santo estava com eles. Estes são os mártires de hoje.”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Desabafo Assim
    18 set, 2019 18:09
    Não me sinto frágil nem ando triste, pelo contrário, mas não compreendo porque me dá vontade de chorar ao ouvir as palavras deste homem.