A+ / A-

Professor-avô dá aulas há 22 anos mas ainda anda de mochila às costas

17 set, 2019 - 09:40 • Liliana Carona

“Já estive em Estarreja, Valongo do Vouga, Maia, Matosinhos, Gaia, Grijó”, diz José António Manta. A Renascença foi conhecer este professor do 2º ciclo que ainda partilha casa como se fosse um estudante.
A+ / A-

Todos os anos espera pelas colocações, ansioso, para saber se fica próximo de casa. Há 22 anos que dá aulas e há 22 anos que não está efetivo. “Já estive em Estarreja, Valongo do Vouga, Maia, Matosinhos, Gaia, Grijó, mas agora aqui não há lugares”, lamenta.

Natural de Gouveia, José António Manta, de 63 anos, já tem o tempo de desconto, mas ainda não tem a idade para se reformar.

Habituou-se a ser um professor com a mochila às costas. Há já 10 anos que o Norte tem sido o seu destino e, este ano, foi colocado no Porto. São seis da manhã e o professor de Português-História, prepara-se para a viagem que o vai levar até ao Agrupamento de Escolas de Canelas.

"Às vezes, acordo ainda mais cedo. É a vida de professor”, confessa.

Todas as segundas-feiras de manhã prepara a mochila. “Vou levar chapéu, mas nem sei se vai chover; levo a sopa feita pela minha esposa e a minha esposa arranja-me a roupa”, conta à Renascença, garantindo que o que lhe custa mais é estar distante da mulher.

Da Serra da Estrela até ao Agrupamento de Escolas de Canelas são 160km de viagem. Por isso, este professor que já é avô anda em busca de quarto – que conseguiu por pouco mais de 200 euros. É a rotina de partilhar casa a que também já está habituado.

“Eu limpava a casa e elas faziam o comer. É engraçado, só que é longe da esposa", sem deixar de apontar as carências do distrito de onde é natural.

"Aqui os jovens cada vez são menos e não há possibilidades de ficar aqui, mas tenho colegas piores, que andam com os filhos às costas”, realça, acrescentando que para quem é de longe é mais complicado.

“Os alunos estão cada vez pior… a educação, os pais, é complicado”, descreve.

Regressa às sextas para passar o fim de semana na Serra da Estrela, junto da família, e parte às segundas de manhã, como se fosse um estudante.

Vale o gosto pelo que o Porto tem para lhe oferecer. “A francesinha é uma delícia. O único inconveniente é não estar em casa, de resto estou bem; estou de bem com a vida”, conclui o professor que garante amar o que faz.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.