A+ / A-

Edward Snowden pede asilo ao Presidente francês

16 set, 2019 - 11:10 • Lusa

Para o analista de sistemas informáticos, “proteger quem faz denúncias não é um ato hostil”. O seu livro de memórias é lançado esta terça-feira.
A+ / A-

Edward Snowden, que publicou documentos classificados sobre o programa de vigilância dos Estados Unidos e foi acusado de espionagem, pediu ao Presidente francês, que lhe conceda asilo.

O analista de sistemas informáticos, que agora vive na Rússia para evitar ser processado nos Estados Unidos, sublinhou, disse numa entrevista na rádio France Inter que “proteger quem faz denúncias não é um ato hostil” e disse que se considerava no direito de obter proteção de França.

Snowden já tinha pedido asilo a França em 2013 a presidente François Hollande, mas sem sucesso.

A presidência francesa ainda não comentou as declarações feitas na rádio.

O lançamento das memórias de Edward Snowden será feito na terça-feira simultaneamente em 20 países, segundo o seu editor francês.

A obra original intitulada “Permanent record”, totalmente escrita por Snowden, será publicada pela Metropolitan books (Macmillan) nos Estados Unidos.

Em França, o livro vai chamar-se “Mémoire vive” e será publicado pela Editions du Seuil.

Snowden revelou, em 2013, a existência de um sistema de vigilância mundial de comunicações e de internet, tendo sido acusado pelos Estados Unidos de espionagem e apropriação de segredos do Estado.

O realizador norte-americano Oliver Stone dirigiu um filme em 2016 sobre a sua vida, com Joseph Gordon-Levitt no papel de protagonista, e Snowden também surge em “Citizenfour”, o premiado documentário de Laura Poitras.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.