A+ / A-

Cerimónias fúnebres de Roberto Leal decorrem na segunda-feira em São Paulo

15 set, 2019 - 17:57 • Lusa

Cantor nasceu em Portugal, no concelho de Macedo de Cavaleiros, de onde emigrou em 1962, com onze anos, para o Brasil.
A+ / A-

O velório do cantor Roberto Leal vai decorrer na segunda-feira, na Casa de Portugal, na região central de São Paulo, no Brasil, a partir das 7h00 (11h00 em Lisboa), segundo o jornal "Folha de S. Paulo".

Segundo o jornal brasileiro, o velório decorre até às 14h00 e o funeral está marcado para as 15h00, no Cemitério Congonhas, na zona sul de São Paulo.

O cantor Roberto Leal, que vivia no Brasil desde criança, morreu hoje em São Paulo, aos 67 anos.

Ainda segundo o "Folha de S. Paulo", que cita o empresário do cantor, Roberto Leal estava internado desde 9 de setembro e teve falência múltipla de órgãos.

Casado há 45 anos com Marcia Lucia, Roberto Leal é pai de três filhos nascidos no Brasil, e tem dois netos.

Roberto Leal - nome artístico de António Joaquim Fernandes - dividiu a sua carreira entre Portugal e o Brasil, mas teve ainda passagens pela política, cinema e televisão.

O cantor nasceu em Portugal, na aldeia transmontana Vale da Porca, concelho de Macedo de Cavaleiros, de onde em 1962 emigrou aos onze anos para o Brasil, com os pais e os nove irmãos.

Em São Paulo, após trabalhar como sapateiro, vendedor de doces e feirante, iniciou seu trabalho com a música e gravou o seu primeiro disco em 1970.

Um ano depois, alcançou o seu primeiro grande êxito com "Arrebita" e teve a sua primeira experiência na televisão brasileira, vindo a repeti-la em 2011, em Portugal, ao participar no programa da RTP "O Último a Sair".

"Arrebenta a Festa" foi o último disco editado em 2016 de uma discografia com mais de 50 discos.

Vendeu mais de 17 milhões de discos, conseguiu 30 Discos de Ouro e cinco de platina e ganhou vários prémios, entre os quais o Troféu Globo de Ouro, da TV Globo, em 1972.

Em 1979, protagoniza o filme "O Milagre - o Poder da Fé", uma história autobiográfica sobre a sua família e o culto pela fé.

Em 2011, publicou a sua autobiografia em Portugal e no Brasil.

Roberto Leal passou também pela política. Em 2018, candidatou-se a deputado estadual em São Paulo pelo Partido Trabalhista Brasileiro.

Em Portugal, aderiu ao PSD em 1991 e deu espetáculos durante a campanha para as eleições legislativas de 1991 e participou em comícios nas de 1995.

A sua carreira foi repartida entre Portugal e o Brasil, onde residia, apresentando-se como embaixador da cultura portuguesa no Brasil.

Deu também espetáculos em todas as comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo.

Desde há dois anos enfrentava um cancro e ficou com problemas de visão e cegueira no olho direito devido aos tratamentos de radioterapia.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • carlos silva
    17 set, 2019 RIO DE JANEIRO 02:42
    o brasil perdeu o seu roberto leal