A+ / A-

Situação "mais controlada" em Miranda do Corvo, mas "é preciso cautela"

13 set, 2019 - 23:24 • Redação com Lusa

O incêndio que chegou a cortar a A13 ameaçou algumas povoações, mas não foi preciso evacuar qualquer aldeia.
A+ / A-

O incêndio que lavra em Miranda do Corvo, no distrito de Coimbra, desde as 18h30 de sexta-feira, já está mais próximo de ser controlado, depois de ter ameaçado quatro povoações durante a madrugada.

Segundo Nuno Pereira, as localidades de Moinhos e Trémoa, no concelho de Miranda do Corvo, e Flor da Rosa e Casal Novo, no concelho de Coimbra, estiveram na "linha de fogo", que inverteu o sentido inicial devido à mudança do vento.

Já esta manhã o comandante distrital Carlos Tavares disse que a situação está mais controlada. "Foi um incêndio que lavrou com bastante intensidade toda a noite, com o vento sempre a projetá-lo e acabou de entrar no concelho de Coimbra, chegando a várias aldeias. Mas neste momento tem apenas dois ou três pontos mais quentes, de difícil acesso."

"A situação começa agora a ficar mais controlada, pese embora tenhamos agora o dia, temperaturas mais elevadas e vento, portanto é preciso alguma cautela", diz.

O comandante Carlos Tavares diz que não foi preciso proceder a qualquer evacuação, uma vez que os operacionais enviados para o local conseguiram dar conta da situação.

As chamas também chegaram a obrigar ao corte da Autoestrada 13 (A13), entre o nó de Almalaguês e Coimbra, e também da A13-1, que dá acesso à Autoestrada do Norte por Condeixa-a-Nova.

No terreno estão atualmente cerca de 668 operacionais, apoiados por 192 viaturas e dez meios aéreos, segundo a página na internet da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil.

[Notícia atualizada às 9h26 de 14/09]


legislativas 2019 promosite
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.