A+ / A-

Assunção Cristas acusa PAN de ter agenda “ideológica” e “autoritária”

14 set, 2019 - 23:04 • Paula Caeiro Varela , João Pedro Barros

Líder do CDS diz que partido ecologista quer impor alimentação vegetariana em Portugal, o que “não é viável para todos as famílias”. André Silva diz que a proposta é para que haja opção.

A+ / A-

A uma semana do arranque oficial da campanha para as eleições legislativas de 6 de outubro, Assunção Cristas acusou André Silva, do PAN, de ter uma agenda autoritária e proibicionista. A acusação foi feita num debate este sábado, na RTP.

“O PAN tem uma agenda profundamente ideológica, ditatorial e autoritária, que quer impor a toda a gente. O PAN tem no seu programa eleitoral que se deve acabar com os apoios da Política Agrícola Comum a toda a Europa, à carne e ao leite. Iríamos ter, se calhar, a carne de cinco euros a custar 15 euros, o leite a 1,5 euros por litro e uma alimentação bem deficiente do ponto de vista da proteína animal”, sublinhou Cristas.

A líder centrista diz que o Partido das Pessoas, dos Animais e da Natureza quer impor um estilo de vida, que passa pela obrigação da adesão ao vegetarianismo.

“Percebo e respeito todos as pessoas que querem fazer essa opção, mas é importante perceber que, no Mundo e em Portugal, essa opção não é viável para todos as famílias”, acrescentou.

Esse foi um dos temas do frente a frente na RTP, com André Silva a ser confrontado também com a proposta para que os eventos da administração pública passem a ter refeições obrigatoriamente vegetarianas. O deputado do PAN defendeu-se, dizendo que se trata de uma opção.

“Não é impor uma regra. É fazer com que as refeições, por defeito, em vez de ser como são, sempre de carne, possam ser vegetarianas. Com a liberdade, ao contrário do que disse a Assunção Cristas, de cada um escolher”, replicou.

PAN fala em despesismo do CDS

Por sua vez, o Líder do PAN acusou o CDS de prometer tudo a todos, com um programa eleitoral que pode comprometer o equilíbrio das contas públicas.

"Nós, ao contrário do CDS, não propormos baixar todos os impostos, com contas que, como tem sido demonstrado, nos podem levar a uma situação financeira calamitosa. Aquilo que nós propomos é que, independentemente das propostas que tenhamos, haja sempre um princípio norteador de boas contas e gestão de dinheiros públicos", declarou.

Assunção Cristas revelou-se "estupefacta" com a acusação e falou em "falta de memória" e "desonestidade politica", lembrando que foi o PS quem conduziu o país a um resgate financeiro e que o PAN foi um dos partidos que aprovaram no Parlamento o Programa de Estabilidade do Governo, no qual o CDS baseou a sua orientação macro-económica.

Últimaslegislativas 2019
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ze
    15 set, 2019 aldeia 09:01
    Esta Senhora não mostra ter carisma para poder algum dia aspirar uma pequena vitória.Sempre em desacordo com todos!.......