A+ / A-

Quaresma sente que foi desrespeitado pelo presidente do Besiktas

13 set, 2019 - 10:08 • Redação

O extremo português, de 35 anos, continua no futebol turco e em Istambul, mas no Kasimpasa.

A+ / A-

Ricardo Quaresma sente que foi desrespeitado pelo presidente do Besiktas. Fikret Orman assumiu que não queria mais o jogador português no clube e Quaresma explica, em entrevista à beIN Sports, que não teve tempo para se despedir de ninguém.

"Tive de sair porque o presidente decidiu. Não tive hipótese de me despedir dos adeptos do Besiktas", lamenta, porque é a eles que está grato. "Sempre me apoiararam, mesmo nos momentos maus", acrescenta.

O internacional português assinou pelo Kasimpasa, também de Istambul, depois de ter dito que na Turquia só jogava no Besiktas. Explica, no entanto, que isso se alterou a partir do momento em que foi surpreendido pela decisão do presidente.

O Besiktas, contudo, fica com lugar reservado no coração de Quaresma. O jogador, de 35 anos, assume que ama o clube e coloca-o ao nível do FC Porto. "Sempre disse que Besiktas e FC Porto são as duas equipas que estarão sempre no meu coração", conclui.

Ricardo Quaresma jogou seis épocas no Besiktas e outas seis no FC Porto. Formado no Sporting, ainda esteve duas temporadas na equipa principal. Transferiu-se para o Barcelona, mas regressou logo depois a Portugal para jogar no Porto, onde esteve quatro anos até se transferir para o Inter. Não explodiu em Itália e ainda foi cedido ao Chelsea.

Depois de nova tentativa, sem sucesso, no Inter assinou pelo Besiktas, em 2010. Esteve duas temporadas na Turquia e seguiu para o Al Ahli, dos Emirados. Regressou ao Porto em 2013/14 para em 2015/16 voltar ao Besiktas. Esta época ainda fez um jogo pelas águias negras, mas acabou por sair para o Kasimpasa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.