A+ / A-

Reduzir horário sem descer salário? CCP diz que proposta do BE "não tem qualquer sentido”, para já

12 set, 2019 - 20:50

Em entrevista à Renascença, Catarina Martins disse acredita ser possível reduzir o horário de trabalho para as 35 horas semanais no setor privado, sem reduzir os salários.
A+ / A-

O presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), João Vieira Lopes, considera que a proposta da líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, de reduzir o horário de trabalho no setor privado, para as 35 horas semanais, sem cortar nos salários, não é possível nos próximos anos.

Em entrevista à Renascença, Catarina Martins disse acredita ser possível reduzir o horário de trabalho para as 35 horas semanais no setor privado, sem reduzir os salários.

A líder do Bloco considera que as empresas não só têm capacidade para o fazer, como a medida permitiria criar mais 200 mil postos de trabalho.

Para o presidente da CCP, "fazer uma afirmação dessas, de caráter geral, não tem qualquer sentido”.

João Vieira Lopes defende que a medida só é viável nos poucos setores de atividade em que a produtividade o permite.

"Baixar o tempo de trabalho mantendo o salário tema ver com o aumento da produtividade. Há setores em que isso pode ser possível e outros em que não, a curto prazo. A longo prazo, provavelmente é possível em grande número de setores”, sublinha.

Já existem setores com horário reduzido, como a banca, mas essa “é uma discussão que tem de ser feita ao longo dos anos”.

“Mas para isso ser conseguido de forma mais generalizada tem que haver um aumento da produtividade em Portugal, que neste momento não existe”, argumenta o presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, em declarações à Renascença.

Catarina Martins: "Podemos diminuir horas de trabalho sem reduzir salário"
Catarina Martins: "Podemos diminuir horas de trabalho sem reduzir salário"

legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.