A+ / A-

Montijo. ANA Aeroportos promete dinheiro para obras em casas afetadas pelo ruído

11 set, 2019 - 08:02

Presidente da ANA diz que testes realizados demonstram que este projeto cumpre os limites acústicos definidos por lei, que devem estar abaixo dos 65 decibéis.
A+ / A-

O presidente da ANA Aeroportos, Thierry Ligonnière, disse no parlamento que a empresa vai assegurar uma "participação financeira" para intervenções de isolamento de habitações em zonas afetadas pelo ruído causado pelo aeroporto Montijo.

A ANA - Aeroportos de Portugal demonstrou a sua "vontade" para que seja criada uma comissão consultiva do ruído e adiantou que está previsto o isolamento acústico das fachadas de edifícios em zonas mais afetadas pelo ruído, em três fases, a primeira delas ainda antes da abertura do aeroporto.

Ainda assim, o presidente da ANA salientou que os testes realizados ao ruído demonstram que este projeto cumpre os limites acústicos definidos por lei, que devem estar abaixo dos 65 decibéis.

Na terça-feira, em audição na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, Thierry Ligonnière começou por reiterar que qualquer obra das dimensões que a construção de um aeroporto tem acarreta impactos negativos.

Por esta razão, assegurou a ANA, o Estudo de Impacte Ambiental (EIA), que a ANA solicitou à Profico Ambiente e que está em consulta pública até 19 de setembro, compreende medidas de mitigação e, se necessário, de compensação dos efeitos negativos.

Salinas e aves não são esquecidas

Entre as medidas propostas, Thierry Ligonnière destacou a recuperação de salinas existentes, algumas delas estão atualmente abandonadas, sendo reabilitadas e geridas a longo prazo pela ANA, seguindo as recomendações do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, e também a implementação de um programa de monitorização dos impactos do aeroporto na vida das aves daquela região.

No entanto, as medidas definitivas terão de ser indicadas pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA), que já disse também hoje que emitirá o parecer definitivo sobre o EIA no final de outubro.

Quando questionado sobre a acusação de falta de transparência na comunicação de informação, feita pela Zero, o presidente da ANA disse que a empresa "transmite às entidades" a quem tem "de transmitir as informações", mas admitiu que podem ser feitos mais esforços no sentido de comunicar "melhor" os dados solicitados.

Respondendo a uma pergunta dos jornalistas, à margem da sessão, sobre a possibilidade da construção de um oleoduto de abastecimento ao aeroporto do Montijo, Thierry Ligonnière esclareceu que tal infraestrutura está fora do espaço de concessão da ANA, não tendo por isso decisão nessa matéria.

No entanto, sublinhou que seria vantajoso para o aeroporto que o abastecimento de combustível fosse feito por aquela via, em vez de ser por camião, como acontece atualmente no aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa.

A ANA e o Estado assinaram em 8 de janeiro o acordo para a expansão da capacidade aeroportuária de Lisboa, com um investimento de 1,15 mil milhões de euros até 2028 para aumentar o atual aeroporto de Lisboa (Humberto Delgado) e transformar a base aérea do Montijo no novo aeroporto de Lisboa.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Oliveira
    11 set, 2019 Lisboa 10:07
    Obras nas casas para o ruído e não me digas que também vão oferecer tampões para os ouvidos e máscaras além das obras nas casas