A+ / A-

EDP disponibiliza helicóptero no auxílio à vigilância e deteção de incêndios

11 set, 2019 - 16:15 • Celso Paiva Sol

A parceria com a Proteção Civil iniciou-se no dia em que foi decretado alerta especial vermelho de agravamento do risco de incêndio florestal.
A+ / A-
EDP disponibiliza helicóptero no auxílio à vigilância e deteção de incêndios
EDP disponibiliza helicóptero no auxílio à vigilância e deteção de incêndios

A EDP está, desde dia 4 de setembro, a colaborar com a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

A elétrica disponibilizou um helicóptero de vigia aos equipamentos que está a apoiar as operações de vigilância e deteção de incêndios.

A bordo deste meio aéreo viaja um elemento da Força Especial de Proteção Civil atento ao aparecimento de fogos.

O aparelho – um helicóptero ligeiro Ecureuil, muito semelhante aos utilizados pela Proteção Civil - é alugado pela EDP e, ao longo de todo o ano, faz voos regulares de verificação do estado de conservação da rede elétrica e outras infraestruturas da empresa.

Face ao risco de incêndio que tem cateterizado este início de Setembro, a Proteção Civil e a EDP acordaram em rentabilizar estes voos, e fazer também a vigilância e deteção de incêndios.

Na prática, a habitual equipa da EDP tem contado com a companhia de um elemento da Força Especial de Proteção Civil, em permanente contacto com os comandos operacionais.

Nos últimos dias foram efetuados quatro voos com esta dupla missão – num total de seis horas no ar. Para esta quarta-feira estão previstos mais dois voos, que correspondem a quatro horas.

Durante o período em que esteve ativado o alerta vermelho foram contabilizados 1.332 incêndios rurais.

No mesmo intervalo registaram-se 750 operações com meios aéreos, utilizando as 59 aeronaves disponíveis para o combate aos incêndios rurais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.