O Mundo em Três Dimensões
Números que contam histórias de segunda a sexta-feira (05h40, 17h50 e 21h05).
A+ / A-
Arquivo
O Mundo em Três Dimensões - Seguros em acidentes - 11/09/2019
O Mundo em Três Dimensões - Seguros em acidentes - 11/09/2019

O Mundo a Três Dimensões

Se beber, tenha cuidado com o seguro de vida

11 set, 2019 • André Rodrigues , com sonorização de Paulo Teixeira


Caso aconteça um acidente mortal e tiver 0,5 ou mais gramas de álcool por litro de sangue, a sua família pode ter dificuldade na hora de acionar o seguro de vida. E se houver prestações da casa em dívida, isso pode ser um problema sério.

De acordo com a Organização Internacional da Vinha e do Vinho, cada português bebe, em média, 62 litros de vinho por ano, mais do que os franceses e do que os italianos - dois países famosos pelos bons vinhos que por lá se produzem.

Tudo isto vem a propósito de um caso que podia, até, parecer uma anedota mas não é. Dois simples copos de vinho foram suficientes para José perder o seguro de vida.

Tinha 42 anos quando morreu num acidente de viação com uma taxa de 1,45 gramas de álcool no sangue. A família acionou o seguro de vida para liquidar a dívida de 35 mil euros do crédito à habitação mas, após uma longa batalha judicial, a seguradora ficou com a razão. José não terá informado a seguradora sobre o seu problema alcoólico. Já a família garante que José ingeria uma garrafa de vinho por dia e, mesmo assim, a companhia aceitou-o como cliente.

Com os seguros não se brinca. E eles são bem necessários, porque senão pode querer muito o seu empréstimo, mas não há banco que lho conceda.

O objetivo é assegurar o pagamento da dívida ao banco, em caso de incumprimento por morte ou invalidez dos titulares.

À primeira vista, pode parecer uma vantagem unilateral para a instituição financeira mas, tendo em conta o elevado nível de endividamento das famílias portuguesas, em caso de incumprimento, a responsabilidade do pagamento da dívida recai, na maioria dos casos, sobre herdeiros.

Então, mas o seguro tem de ser contratado ao banco? Não necessariamente.

Pode sempre falar como seu mediador de seguros e ver se lhe oferece uma solução vantajosa. A diferença pode chegar aos 250 euros.

Mas também pode ocorrer incumprimento por desemprego inesperado. E aí o seguro pode garantir o pagamento da sua dívida, durante seis meses.

Esteja atento, e tome a melhor opção.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.