A+ / A-

​Papa visitou Moçambique antes das eleições para "ajudar a consolidar processo de paz"

10 set, 2019 - 20:10 • Aura Miguel , com redação

Em resposta a uma pergunta da Renascença, na viagem de regresso de África, Francisco comparou a paz a um bebé, que precisa sempre de cuidados e tem de ser tratado com ternura.
A+ / A-

O Papa visitou Moçambique próximo da campanha eleitoral para “ajudar a consolidar o processo de paz”. Francisco respondia a uma pergunta da Renascença na viagem de regresso a Roma.

Questionado por que decidiu visitar Moçambique a cerca de um mês das eleições de 15 de outubro, a convite do Presidente e recandidato, Filipe Nyusi, o Papa disse que há valores que falam mais alto.

“Não foi um erro, foi uma opção tomada livremente, porque a campanha eleitoral, que começou nestes dias, passou para segundo plano face ao processo de paz. O importante era visitar o pais para ajudar a consolidar o processo de paz.”

Fazendo o balanço entre as duas coisas, “o mais importante era consolidar”, explica o Papa na habitual conversa com os jornalistas no avião, no regresso a Roma.

Francisco sublinha que teve oportunidade de “saudar os adversários políticos” num encontro no Palácio Presidencial. “Tudo isto para sublinhar que aquilo era o mais importante e não apoiar este Presidente, que não conheço nem sei como pensa, nem como pensam os outros. Para mim o mais importante foi sublinhar a unidade do país”, frisou.

O Sumo Pontífice rejeita triunfalismos e compara a paz a um bebé, que precisa sempre de cuidados e tem de ser tratado com ternura.

“Nestas coisas, não devemos ser triunfalistas, o triunfo é a paz. Nós não temos o direito de ser triunfalistas, porque a paz ainda é frágil no teu país e como é no mundo. Devemos tratá-la, como se tratam os recém-nascidos, como os bebés, com muita ternura, com muita delicadeza, com muito perdão, com muita paciência para a fazer crescer e a tornar robusta. Mas a vitória do país é a paz, esta é a vitória do país, devemos sublinhar isto. E isto é válido para todos os países”, disse o Papa.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.