A+ / A-

Bispo português no Madagáscar. “Pode parecer folclore, mas os nossos jovens têm formação”

10 set, 2019 - 11:38 • Filipe d'Avillez , Aura Miguel

D. José Alfredo Caires, de Mananjari, é dehoniano e está no Madagáscar há décadas, tendo sido nomeado bispo no ano 2000. Diz que a visita do Papa foi muito importante para esta igreja jovem.
A+ / A-

O bispo D. José Alfredo Caires, de Mananjari, no Madagáscar, diz que a visita do Papa Francisco àquele país foi muito importante para mostrar ao mundo a juventude e a dinâmica da Igreja Católica malgaxe.

No país há várias décadas, o sacerdote dehoniano, natural da Madeira, foi nomeado bispo no ano 2000 e é responsável por uma diocese que fica a 700 quilómetros da capital, Antananarivo, o que em termos práticos é quase como estar do outro lado do planeta.

“Madagáscar não é Antananarivo, Antananarivo é o máximo, mas existe muito mais pobreza no interior. Para irmos para a minha diocese há uma estrada principal, o resto é tudo terra batida e estradas que não se podem fazer nem mesmo de moto, e a pé só com grande dificuldade”, explica. Cada vez que precisa de viajar até à cidade principal tem de contar com pelo menos 12 horas de viagem.

A visita de Francisco foi importante nesta fase, diz o bispo português, em que o Madagáscar vivia uma fase de pessimismo, sobretudo por causa da pobreza. “Vivemos um período ainda de pessimismo e temos que dar um bocado de positivismo a toda esta dinâmica, mesmo do Governo, que quer fazer algo de novo. Para a Igreja é importante dar uma esperança às pessoas, que vivem numa pobreza tal que mesmo nós temos dificuldade em encontrar caminhos novos para lhes dar. O Papa veio-nos dizer que é possível, convencer que é possível.”

Durante a sua visita Francisco abordou diretamente a questão da pobreza e da corrupção no Madagáscar, criticando a cultura que favorece esta e dizendo que a aquela não é uma fatalidade.

Não obstante a pobreza que assola a ilha, D. José Alfredo Caires explica que não falta energia e formação a uma igreja que se caracteriza pela sua juventude. “É importante o Papa ter escolhido esta periferia, que dá impressão de uma igreja brilhante, com muita gente, muitos jovens. Nas nossas igrejas, temos a impressão que estamos no meio de crianças e de jovens. E é verdade. Gente que tem esperança. O Papa escolheu esta periferia porque é importante na Igreja, é importante uma Igreja que tem muitas vocações, mas temos de estar atentos ao discernimento, a dar sempre uma atualidade.”

“Quem vê de longe parece que nós não damos formação, que é tudo folclore e dança, mas não, mesmo aqueles jovens que dançaram e que pularam com o Papa são jovens formados. Sabem dar as razões, mais que muitos na Europa, sem dúvida”, conclui.

Os dehonianos, a congregação do D. José Alfredo Caires, está implantada no Madagáscar, onde trabalha de perto com os mais pobres, desde inícios dos anos 80.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.