A+ / A-

Investigado por corrupção, juiz Rui Rangel vai decidir sobre processo “Máfia do Sangue”

10 set, 2019 - 15:32 • Marina Pimentel

Conselho Superior da Magistratura admite que nada pode fazer para impedir que o juiz Rui Rangel entre "no modelo de distribuição normal de processos entre os juízes desembargadores".
A+ / A-

O Conselho Superior da Magistratura assume que nada pode fazer para impedir que o juiz Rui Rangel, investigado por corrupção no âmbito da "Operação Lex", esteja a decidir sobre o processo “Máfia do Sangue”.

Rui Rangel regressou, recentemente, ao Tribunal da Relação de Lisboa e tem agora em mãos um recurso do processo que envolve suspeitas de corrupção e fraudes no Serviço Nacional de Saúde (SNS).

A Renascença questionou o Conselho Superior de Magistratura sobre a circunstância de estar um juiz fortemente indicado pela prática de atos de corrupção a decidir sobre um processo de corrupção.

Em resposta escrita, o órgão disciplinar dos juízes declara que "Rui Rangel encontrava-se suspenso preventivamente das suas funções na sequência do inquérito disciplinar que corre os seus termos normais” e, tendo em conta que o Estatuto dos Magistrados Judiciais impõe um prazo limite para a suspensão preventiva, juiz desembargador “reassumiu funções no Tribunal da Relação de Lisboa depois de esgotado o referido prazo de suspensão”.

“Assim sendo”, diz o CSM, “ao reassumir funções, entra no modelo de distribuição normal de processos entre os juízes desembargadores, que é feita de forma aleatória para qualquer tipo de processo, dentro da área em que o juiz se encontra".

A suspensão de Rui Rangel foi levantada em agosto. O magistrado estava suspenso de funções desde fevereiro de 2018, primeiro como medida de coação, depois, desde novembro, por decisão do Conselho Superior da Magistratura.

A "Operação Lex" investiga suspeitas de corrupção/recebimento indevido de vantagem, branqueamento de capitais, tráfico de influências e fraude fiscal.

A operação teve origem numa certidão extraída da "Operação Rota do Atlântico" e foi desencadeada a 30 de janeiro. O Estádio da Luz, as casas do presidente do Benfica Luís Filipe Vieira e dos dois juízes e três escritórios de advogados foram alguns dos alvos de buscas.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Fernando Vale
    14 set, 2019 Lisboa 11:07
    "Investigado por corrupção, juiz Rui Rangel vai decidir sobre processo “Máfia do Sangue”. Parece que o prazo da suspensão terminou, mas ""POR ACASO FOI SORTEADO"" para julgar o caso do patrão de socrates na Octapharma.
  • João Lopes
    10 set, 2019 19:52
    Agostinho de Hipona (354-430): «Um Estado que não se regesse segundo a justiça, reduzir-se-ia a um grande bando de ladrões».
  • JORGE DIAS
    10 set, 2019 Povoa de Santa Iria 15:48
    Incrível...o país que temos, palavras para quê? Um Juiz a julgar um caso de corrupção, sendo ele mesmo investigado por corrupção...isto é real?