A+ / A-

Erasmus interior. PS e PSD propõem medida que já existe

09 set, 2019 - 18:08 • Henrique Cunha

Iniciativas Almeida Garrett e Vasco da Gama são destinadas à mobilidade de alunos do ensino superior, apesar de não serem financiadas pelo Orçamento de Estado. Presidente da Federação Académica do Porto critica desconhecimento.
A+ / A-

O chamado programa Erasmus interior, que entrou na campanha eleitoral este fim de semana, não é uma novidade em Portugal e já é desenvolvido por universidades e politécnicos.

O CRUP (Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas) disponibiliza o programa Almeida Garrett e o CCISP (Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos) coloca à disposição dos seus estudantes o programa Vasco da Gama. Ou seja, o “conceito já existe”.

No sábado, António Costa, primeiro-ministro e secretário-geral do PS, defendeu a criação de um Erasmus Interior para os jovens que vão "com mais facilidade ao estrangeiro do que a Vila Real". No dia seguinte, foi a vez de o seu homólogo Rui Rio garantir que o PSD já tinha feito a proposta há largos meses. Para além disso, lembrou que a ideia faz parte do programa eleitoral.

Presidente da FAP admite pouca divulgação dos conceitos

Esta segunda-feira, em declarações à Renascença, o presidente da Federação Académica do Porto (FAP), João Pedro Videira, lembra a ambos os líderes que já há programas que incentivam a mobilidade dos estudantes.

“Não são financiados através do Orçamento do Estado ou através de outras linhas de financiamento”, mas, “como programas de mobilidades interna, assemelham-se aos programas de mobilidade internacional, nomeadamente ao abrigo do Erasmus”, explica.

O líder da FAP admite haver pouca divulgação dos conceitos, mas não deixa de criticar PS e PSD pelo desconhecimento. “Quem está a legislar e quer estar à frente do país tem de pesquisar e tem de saber daquilo que está a falar”, criticou.

João Pedro Videira, estudante do Instituto Superior de Engenharia do Porto, conclui que “não se está a reinventar a roda” e que “em vez de se estar a criar um novo programa, faria sentido apoiar os que já existem”.

Erasmus interior tem de ser atrativo, diz presidente do Politécnico de Bragança

O presidente do Instituto Politécnico de Bragança prevê que, se a aposta for "replicar" o Erasmus tradicional, os alunos vão continuar a preferir ir estudar para o estrangeiro.

Para Orlando Rodrigues, "a medida pode ser interessante" mas "tem de ser afinada, pensada e desenvolvida" para ser "mais atrativa do que o Erasmus tradicional". Se pura e simplesmente o replicar, é provável que os estudantes "tenham mais interesse em conhecer outro país e outra língua".

Para além disso, o responsável defende que os programas já existentes sejam revisitados e corrigidos: "É necessário ver porque não resultaram, o que é que falhou e o que é que se pode acrescentar e modificar para que eles se tornem eficazes".


legislativas 2019 promosite
Últimaslegislativas 2019
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.