Papa: "A biodiversidade vegetal e animal corre perigo por causa do contrabando e das exportações ilegais"

07 set, 2019 - 13:53 • Aura Miguel , Joana Bourgard , com Vatican News

O Papa está em Madagáscar, uma visita histórica a um dos países mais pobres do mundo. A visita arrancou com um encontro de cortesia com as autoridades locais, no Palácio Presidencial. No final, Francisco plantou uma baobá, árvore nacional de Madagáscar que pode crescer até aos 30 metros, em conjunto com Andry Rajoelina, Presidente de Madagáscar.

RSS iTunes URL Embed E-mail Facebook Twitter Whatsup Comentários
Reportagem
Eu Eleitor hyper

Eu, eleitor. Retratos do país que vota

Que país é este que vai às urnas? Até às eleições legislativas, a Renascença apresenta retratos de 18 eleitores dos círculos eleitorais de Portugal continental, olhando as características e dificuldades de cada distrito.

Reportagem - Segundo Torrão, o maior bairro de lata de Almada - 25/03/2019

Reportagem

Segundo Torrão. Viagem ao maior bairro de lata de Almada

Em Almada, há mais famílias a viver em bairros ilegais do que nos anos 90. O maior chama-se Segundo Torrão e serve de casa a 2500 pessoas.

Mães ocupas por necessidade

Edição da Noite

Mães ocupas

Na Edição da Noite desta quinta-feira, 29 de novembro de 2018: uma grande reportagem sobre mães solteiras em dificuldades que ocupam casas da Câmara de Lisboa financeira; uma entrevista ao vice-presidente do PSD, Carlos Carreiras; uma entrevista ao bispo de São Tomé, D. Manuel dos Santos, sobre a instabilidade política no país.

Reportagem de Alfama para Cacilhas - Paulo - Foto: Joana Bourgard/RR

À margem de Lisboa. Como Alfama se está a mudar para Cacilhas

São praticamente vizinhanças inteiras que têm de atravessar o Tejo para encontrar uma casa que podem pagar. Apontam culpas ao turismo, que descaracteriza e encarece o seu bairro, Alfama. Regressar, garantem, “é impensável”. “Nem casas há!”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.