O Mundo em Três Dimensões
Números que contam histórias de segunda a sexta-feira (05h40, 17h50 e 21h05).
A+ / A-
Arquivo
O Mundo em Três Dimensões - Segurança Digital - 04/09/2019
O Mundo em Três Dimensões - Segurança Digital - 04/09/2019

O Mundo em Três Dimensões

​Crimes informáticos. Um milhão de pessoas vítimas de roubo de dados em 2019

04 set, 2019 • André Rodrigues , com sonorização de José Luís Moreira


Um em cada quatro computadores tem um programa de “malware” revela um estudo russo.

De acordo com o mais recente relatório da Kaspersky – uma empresa russa de softwares de segurança para a internet, só nos primeiros seis meses de 2019, pelo menos, um milhão de utilizadores do ciberespaço foram vítimas roubo de palavras-passe e outros dados confidenciais.

Mais 60% dos casos registados nos primeiros seis meses do ano passado.

Fixe este nome, embora possa esquecer-se logo depois de o ouvir ou ler: o 'Azorult' é um dos malware mais utilizados e difundidos para roubar dados. Funciona como o cavalo de Tróia. Introduz-se discretamente, às vezes, através de um clique inocente numa publicidade mais sedutora. E uma vez dentro do sistema, faz o que quer com as suas passwords, com os dados das aplicações que mais utiliza.

Um em cada quatro computadores analisados pelos especialistas da Kaspersky tinha 'Azorult' à solta.

Mas porquê que tudo isto acontece? Era bom que a evolução tecnológica andasse a par com a evolução das ferramentas de proteção contra pessoas menos bem-intencionadas.

Mas neste universo das novas tecnologias, tudo aconteceu e continua a acontecer demasiado rápido. A nossa vida pessoal e económica deixou de ser tratada em papéis para se desmaterializar no universo virtual, e isso faz aumentar o número de hackers, as participações e os processos em tribunal por pirataria informática.

Mais 52% nos últimos três anos.

Já agora, fixe mais este número e um nome: Paige Thomson, antiga engenheira informática da Amazon é responsável por uma das maiores violações de dados da história da banca: 106 milhões de clientes de um banco norte-americano, o Capital One, viram os seus dados pessoais expostos em público.

A boa notícia no meio de tudo isto é que Paige foi apanhada pelo FBI e enfrenta uma acusação de crime informático, abuso e fraude que pode valer-lhe 5 anos de prisão e 225 mil euros de multa.

Mas depois do mal feito, ninguém pode dar garantias de que os dados destes 106 milhões de clientes e de outros apanhados em esquemas semelhantes não caiam nas mãos erradas.

Por isso, da próxima vez que estiver a consultar a sua conta bancária no computador ou na aplicação tenha lá paciência de cada vez que lhe for pedido que dê as três coordenadas do cartão matriz, ou quando lhe pedirem que insira aquele código PIN que lhe enviaram por SMS para concretizar uma transferência bancária.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.