|
A+ / A-

Itália

Movimento 5 Estrelas e Partido Democrático vão mesmo coligar-se em Itália

03 set, 2019 - 18:56 • Tiago Palma

Era preciso que os militantes do partido do primeiro-ministro Giuseppe Conte votassem a favor da formação da coligação – e estes votaram mesmo, esta terça-feira. Chega assim ao final em Itália uma crise política desencadeada pelo líder da extrema-direita.

A+ / A-

O presidente do partido anti-sistema Movimento 5 Estrelas (M5S), Luigi Di Maio, tinha anunciado que apenas formaria um Governo de coligação com o Partido Democrático (PD, de centro-esquerda) se tivesse o consentimento maioritário dos militantes.

E teve-o esta terça-feira: na votação online, realizada na plataforma Rousseau, 79,3% dos militantes votaram a favor da formação da coligação liderada pelo primeiro-ministro indigitado Giuseppe Conte. A notícia está a ser adianta pela agência Reuters.

Agora, caberá a Conte apresentar (deve fazê-lo, conforme anunciou domingo passado, já esta quarta-feira) ao Presidente italiano Sergio Mattarella a lista de nomes que compõem o novo Governo para, em seguida, a mesma ser aprovada pelo Parlamento, colocando assim fim a uma crise política desencadeada pelo anterior parceiro de coligação, o Partido Liga (extrema-direita) de Matteo Salvini.

O governo de coligação entre o Liga e o M5S acabou em agosto, ao fim de somente 14 meses de coexistência difícil, quando Matteo Salvini apresentou uma moção de censura no Senado ao primeiro-ministro Giuseppe Conte, o que levaria à sua demissão.

Segundo a maioria dos analistas, Salvini planeava forçar a antecipação das eleições legislativas para aproveitar o recorde de popularidade de que goza em Itália (36%-38%), sobretudo depois de o Liga ter sido o partido mais votado nas eleições europeias de maio.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.