|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

EUA e Reino Unido ajudam no socorro às vítimas do Furacão Dorian

04 set, 2019 - 09:56 • Lusa

Uma responsável, que está a ajudar na coordenação da ajuda, descreve um cenário de "devastação total e apocalíptico". Os números provisórios apontam para sete mortos e dezenas de feridos.

A+ / A-

As autoridades das Bahamas estão a prestar socorro e ajuda às vítimas do furacão Dorian, contando com o auxílio da Guarda Costeira dos Estados Unidos e da Marinha Real britânica.

"É uma devastação total. Está dizimado. Apocalíptico", descreve Lia Head-Rigby, que ajuda a coordenar um grupo local de socorro e que sobrevoou as ilhas Abacos, mais atingidas pelo furacão.

Vários grupos de ajuda humanitária estão a tentar levar comida e remédios aos sobreviventes e a transportar as pessoas mais afetadas para locais seguros.

Pelo menos sete pessoas morreram nas Bahamas após a passagem do furacão, mas a extensão total do desastre ainda é desconhecida.

Os aeroportos estão inundados e as estradas intransitáveis após as Bahamas terem sido atingidas pelo mais forte furacão registado na história do arquipélago, que fustigou principalmente as ilhas Abacos e a ilha Grande Bahama, com ventos de até 295 quilómetros por hora e chuva torrencial, antes de seguir na terça-feira a sua rota em direção à Florida.

Os ventos severos da tempestade e as águas castanhas e lamacentas destruíram ou danificaram gravemente milhares de casas, incapacitando a atividade de hospitais e deixando muitas pessoas presas em sótãos.

"Não podemos remodelar o que estava lá. Temos que reconstruir de raíz", referiu Lia Head-Rigby.

A responsável adiantou ainda que o seu representante em Abacos lhe disse que havia "muito mais mortos", mas não avançou números, uma vez que os corpos ainda estão a ser recolhidos.

O primeiro-ministro das Bahamas também esperava mais mortes e previu que a reconstrução exigiria "um esforço maciço e coordenado".

"Estamos no meio de uma das maiores crises nacionais da história do país", disse o primeiro-ministro Hubert Minnis numa conferência de imprensa, sublinhando que "nenhum esforço ou recursos serão retidos”.

Ajuda internacional

Cinco helicópteros da Guarda Costeira fizeram voos de hora a hora para as ilhas Abacos, transportando mais de 20 pessoas feridas para o hospital principal da capital.

Marinheiros britânicos também estavam a participar do socorro às vítimas e alguns grupos de ajuda privada tentaram chegar às ilhas atingidas no norte das Bahamas.

As equipas de resgate começaram a retirar as pessoas no rescaldo da tempestade na ilha de Grande Bahama no final de terça-feira, usando motas de água, barcos e até mesmo uma enorme escavadora.

Nas Bahamas, o porta-voz da Cruz Vermelha Matthew Cochrane disse que mais de 13 mil casas, ou cerca de 45% das casas de Grande Bahama e Abacos, foram severamente danificadas ou destruídas.

Autoridades da ONU anunciaram que 61 mil pessoas nas ilhas atingidas precisarão de comida, e a Cruz Vermelha acrescentou que 62 mil precisarão de água potável.

Lawson Bates, funcionário da MedicCorps, com sede no Arkansas, sobrevoou Abacos, comentando que a zona "parece completamente achatado. Há barcos no interior que estão virados. É uma devastação total".

A Cruz Vermelha autorizou 500 mil dólares para a primeira vaga de socorro, disse Cochrane.

Segundo o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, as equipas humanitárias da ONU estavam prontas para entrar nas áreas atingidas para ajudar a avaliar os danos e as necessidades do país. O Governo dos Estados Unidos também enviou uma equipa de resposta a desastres.

O furacão Dorian enfraqueceu para categoria 2 e agora segue a sua rota em direção aos Estados Unidos.

Nos Estados Unidos, vários milhões de pessoas na Florida, Geórgia e Carolina do Sul foram aconselhadas a sair dos locais próximos da costa, por onde o Dorian deve também passar.

Primeiros momentos da passagem de Dorian pelas Bahamas
Primeiros momentos da passagem de Dorian pelas Bahamas
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.