A+ / A-

Leonel Pontes volta a ser o bombeiro do Sporting, dez anos depois

03 set, 2019 - 16:18 • Inês Braga Sampaio

O treinador madeirense fez controlo de danos em 2009, aquando da saída de Paulo Bento, e chegou mesmo a orientar um jogo. A Renascença faz um raio-x a Leonel Pontes, o novo técnico interino do Sporting, após o despedimento de Keizer.
A+ / A-

Veja mais:


Leonel Pontes volta a ser treinador interino do Sporting, dez anos depois. Em novembro de 2009, colmatou a saída de Paulo Bento, de quem era adjunto. Bola Branca sabe que o técnico madeirense vai, agora, subir da equipa de sub-23, para suprir o despedimento de Marcel Keizer.

Foi na formação do Sporting que Leonel Pontes deu os primeiros passos. Em 2005/06, subiu à equipa principal, como treinador adjunto de Paulo Bento. A aventura conjunta durou cinco épocas e alguns meses.

Em outubro de 2009, o atual selecionador da Coreia do Sul foi demitido e Pontes ficou em Alvalade, como técnico interino. Chegou a orientar um jogo, a 8 de novembro de 2009: um empate, a duas bolas, no terreno do Rio Ave. No jogo seguinte, o treinador do Sporting já era Carlos Carvalhal.

Foi precisamente nove anos depois, a 8 de novembro de 2018, que Marcel Keizer foi anunciado como novo treinador do Sporting, sucedendo a José Peseiro. Era escolha pessoal de Frederico Varandas, o recém-eleito presidente do Sporting. Durou pouco menos de 11 meses. O treinador holandês foi despedido, esta terça-feira, e Leonel Pontes volta a ser o "bombeiro" de serviço de Alvalade, dez anos depois.

Nesse espaço de dez anos, muito aconteceu ao conterrâneo de Cristiano Ronaldo, que também já foi comentador desportivo para a Renascença.

Com a chegada de Carvalhal ao comando técnico do Sporting, Leonel Pontes voltou à equipa de Paulo Bento. Quando este se tornou selecionador nacional, após o despedimento de Carlos Queiroz, o seu adjunto era o treinador madeirense.

Pontes acompanhou Paulo Bento nos cinco anos de equipa das quinas, em que se destacaram a chegada às meias-finais do Euro 2012, pela positiva, e o desastre da eliminação na fase de grupos do Mundial 2014, que conduziram ao despedimento do então selecionador.

Foi com o fim da aventura na seleção que terminou a parceria entre Paulo Bento e Leonel Pontes. O madeirense regressou à Madeira, para orientar o Marítimo, na sua primeira experiência como treinador principal.

Treinador principal por quatro épocas

Leonel Pontes não terminou a época no Marítimo, deixando o comando técnico em março de 2015. Os insulares ocupavam, na altura, a 11.ª posição da tabela classificativa do campeonato. Como treinador interino, ficou um tal de Ivo Vieira, hoje treinador do Vitória de Guimarães.

Seguiram-se passagens curtas pelo estrangeiro: cinco jogos no Panetolikos (Grécia), dois no Ittihad Alexandria (Egito), 26 no Debreceni (Hungria). Na temporada passada, completou a época ao serviço do Jumilla, da terceira divisão de Espanha.

Esta época, Leonel Pontes decidiu arrumar as malas e regressar a Portugal. Aceitou o convite do Sporting, o clube que servira durante 19 anos, para treinar a equipa de sub-23 e impressionou nos primeiros cinco jogos: cinco vitórias, 19 golos marcados e apenas dois sofridos. Domínio esmagador coroado com a liderança da Liga Revelação e, agora, com a subida de Pontes à equipa principal, ainda que de forma interina.

Certo é que, da última vez que um grande despediu treinador e "pescou" interino na formação secundária, este brilhou e ficou de forma efetiva. Trata-se de Bruno Lage, que substituiu Rui Vitória no Benfica, a meio da temporada passada, e foi campeão nacional. Leonel Pontes tem oportunidade de seguir o exemplo e convencer Frederico Varandas a mantê-lo como treinador principal do Sporting.


legislativas 2019 promosite
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.