A+ / A-

BE diz que a única vez que Governo esteve para cair foi por iniciativa do PS

31 ago, 2019 - 12:50 • Lusa

É "absurdo" dizer que o BE e o PCP são inimigos da estabilidade, defende líder parlamentar do Bloco de Esquerda.
A+ / A-

O líder parlamentar do Bloco de Esquerda defendeu hoje que é "absurdo" dizer que o BE e o PCP são inimigos da estabilidade, lembrando que a única vez que o governo esteve para cair foi por iniciativa do PS.

"Dizer-se que o Bloco de Esquerda e o PCP são inimigos da estabilidade é um absurdo, ou pelo menos um contrassenso evidente aos olhos de quem vive em Portugal nos últimos quatro anos. A única vez que o governo esteve para cair foi por iniciativa do Partido Socialista, não foi nem por ação do Bloco de Esquerda, nem por ação do PCP", defendeu.

Pedro Filipe Soares que falava, no Porto, no segundo dia do Fórum Socialismo 2019, lembrou que esta coligação de forças fez aprovar quatro orçamentos, facto que contribuiu para o sentimento de estabilidade.

"Temos quatro orçamentos aprovados neste contexto. Não houve nenhum sentimento de instabilidade fosse por instabilidade política ou por instabilidade da situação económica. E por isso o que nós podemos dizer é o contrário: se houve estabilidade na vida das pessoas (…) se deve à ação do Bloco de Esquerda e da ação de outros partidos de esquerda", defendeu.

O bloquista deixou, contudo, claro que o partido não colocou em causa, quando fez o acordo com o Partido Socialista, a sua identidade ou seu horizonte estratégico.

"Não mudamos a nossa perspetiva. O Bloco não perdeu o seu horizonte de transformação, não perdeu a sua identidade, não perdeu o seu programa político (…), mas também não perdemos a nossa capacidade, de pontualmente, em cada momento, fazermos ou os acordos, ou as alianças, ou juntarmos forças com quem podemos juntar forças para determinados objetivos", apontou, sublinhando que esta circunstância não coloca o partido como "subsidiários a um programa mínimo" que é apenas só a defesa da democracia.

Para Pedro Filipe Soares, o acordo é fruto da conjuntura e de uma relação de forças que obrigou o PS, a dialogar à esquerda.

"Não que o PS não pudesse ter feito isso antes, mas porque agora sim foi obrigado, incontestavelmente, a fazer esta escolha", disse.

O líder parlamentar garante, no entanto, que, hoje, "as pessoas" não confundem o Bloco de Esquerda com o Partido Socialista, como demonstram as sondagens.

"Uma coisa curiosa dessa sondagem é que a Catarina Martins era vista como chefe da oposição à frente de Assunção Cristas. Ora isto mostra bem como há na perceção popular a separação clara do que é o Bloco de Esquerda e o que é o PS e a perspetiva que o Bloco não se esgota numa aliança com o PS", disse.

Na sua intervenção, Pedro Filipe Soares defendeu ainda que a austeridade resulta de discurso cada vez mais autoritário que tem em si uma chantagem e ao mesmo tempo uma segurança que é: "mais vale isto do que muito pior".

"Vemos isso no discurso do primeiro-ministro, António Costa, ainda recentemente, a perspetiva de uma crise financeira também na Europa (…). Chantagens para nos retirar perspetivas da alteração da relação de forças, mas acima de tudo para retirar à massa generalizada perspetivas de reivindicação de melhores condições de vida, de maior distribuição de riqueza", concluiu.


legislativas 2019 promosite
Últimaslegislativas 2019
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.