A+ / A-

D. Ivo Scapolo é o novo Núncio Apostólico em Lisboa

29 ago, 2019 - 11:00 • Aura Miguel , com redação

O arcebispo italiano, de 66 anos, era, até à data, Núncio Apostólico em Santiago, Chile. Sucede a D. Rino Passigato, hoje Núncio Apostólico emérito para a República Portuguesa.
A+ / A-

O arcebispo italiano Ivo Scapolo é o novo Núncio Apostólico em Lisboa.

O anúncio da escolha do Papa Francisco para a sucessão de D. Rino Passigato, hoje Núncio Apostólico emérito para a República Portuguesa, surgiu esta quinta-feira.

D. Ivo Scapolo era, até à data, Núncio Apostólico em Santiago, Chile.

Foi durante a sua missão em Santiago que surgiram os problemas relacionados com encobrimento de abusos e com a nomeação de alguns bispos chilenos, próximos de Fernando Karadima, um influente padre, entretanto condenado por crimes sexuais e reduzido a estado laical.

A crise foi agravada com a visita do Papa aquele país, em 2018, que, meses depois, levou Francisco a convocar todo o episcopado chileno ao Vaticano. Foi na sequência deste encontro que todos os bispos lhe apresentaram pedidos de demissão, alguns dos quais foram aceites pelo Papa.

Ivo Scapolo nasceu em Terrassa Padovana, na província de Pádua, a 24 de Julho de 1953, e foi ordenado sacerdote a 4 de Junho de 1978.

Doutorado em Direto Canónico, Scapolo entrou no serviço diplomático da Santa Sé em 1984 e exerceu missão nas representações pontifícias em Angola, Portugal, Estados Unidos e na secção para as Relações com os Estados da Secretaria de Estado do Vaticano.

Foi nomeado Núncio Apostólico na Bolívia a 26 de Março de 2002, no Ruanda a 17 de janeiro de 2008 e no Chile a 15 de Julho de 2011.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.