A+ / A-

António Costa afasta Governo de coligação. “É melhor não estragar uma boa amizade com um mau casamento”

28 ago, 2019 - 20:58 • Redação

Portugal está agora melhor preparado para enfrentar o “diabo” de uma eventual crise internacional, garante o primeiro-ministro em entrevista à TVI.
A+ / A-

O primeiro-ministro e secretário-feral do PS afasta a possibilidade de um Governo de coligação com os partido à esquerda. Em entrevista à TVI, António Costa diz que “é melhor não estragar uma boa amizade com um mau casamento”, numa referência a um eventual executivo socialista, com ministros de outros partidos, como PCP ou Bloco de Esquerda.

Depois da "Geringonça" dos últimos anos, o chefe do Governo diz que não vai pedir uma maioria absoluta porque recusa "fazer chantagem" com os cidadãos portugueses: "não tenho dúvidas de que os portugueses não gostam de maiorias absolutas", afirmou.

“Nunca pedi maioria porque acho que isso não é coisa que se peça. Não faço chantagem com os portugueses. É fundamental que o PS saia reforçado destas eleições” para enfrentar os desafios externos, como uma eventual recessão mundial ou o Brexit, e internos, disse o primeiro-ministro nesta entrevista de pré-campanha para as legislativas de 6 de outubro.

Questionado sobre a possibilidade de formar Governo com o PAN, António Costa disse não saber se o Partido das Pessoas, Animais e Natureza quer integrar um executivo.

"Um Governo tem de ser entidade coesa. Não devemos dar passos que não sejam seguros. Não sei se o PAN quer ser Governo. O PAN é partido importante, os sinais apontam que vai crescer nas legislativas e estamos disponíveis para trabalhar com o PAN."

Sobre a continuidade do atual ministro das Finanças num novo Governo socialista, António Costa diz não ter razões para duvidar que Mário Centeno se mantém disponível para a vida política ativa e para a governação.

“A formação do Governo será feita na altura própria. Não antecipo grandes alterações de fundo do governo se os portugueses deram a vitória ao PS”, frisou.

"Perante uma crise não estaremos tão expostos como em 2011"

Portugal está agora melhor preparado para enfrentar o “diabo” de uma eventual crise internacional, garante o primeiro-ministro, "com certeza" não vai sofrer o impacto que sofreu na sequência da crise de 2008, que levou a uma nova intervenção da troika.

“Hoje estamos melhor preparados, porque défice está próximo do equilíbrio e a dívida descendente e temos a confiança dos mercados. Perante uma crise não estaremos tão expostos como em 2011.”

Qualquer crise internacional "será problemática", admite o líder socialista, "mas hoje estamos melhor preparados e temos mais instrumentos para enfrentar essa crise". António Costa defende a necessidade de manter a estabilidade e o equilíbrio, com devolução de rendimentos às pessoas e criação para as empresas fazerem negócios, "mas nunca dando um passo maior do que a perna para não nos colocarmos numa situação de risco".

Costa diz a professora que só promete o que pode cumprir

Questionado por uma professora sobre o descontentamento existente na classe, em vésperas de início do novo ano letivo, António Costa respondeu que só promete o que pode cumprir.

“Posso não a convencer, mas há uma coisa que eu tenho de estar convicto daquilo que eu digo e daquilo com que me comprometo: nunca me comprometerei com nada que não esteja convicto", declarou o líder socialista.

"Eu sei que os professores se sentem enganados ao longo de vários anos sobre a forma como foi desenhada a sua carreira e como a sua carreira não foi cumprida. Precisamente por saber isso, eu nunca assumi qualquer compromisso com os professores além daquilo que sabia que podia fazer e fomos ao limite dos limites daquilo que podíamos fazer."

"Isso permitiu já que um terço dos professores já tenham progredido e que, nos próximos quatro anos, em média, todos os professores poderão progredir dois escalões e isso é uma mudança muito significativa depois de duas décadas onde havia a ilusão de uma carreira que não foi cumprida e de congelamentos sucessivamente impostos. E se há algo fundamental, também para a motivação, mas seguramente para a confiança entre todos, é ninguém assumir compromissos além daquilo que pode cumprir", declarou.

Confrontado com as críticas de uma representante dos enfermeiros, o primeiro-ministro respondeu que cumpriu a promessa de repor horário de trabalho de 35 horas, aumentar número de enfermeiros no Serviço Nacional de Saúde (SNS) e descongelamento de todas as carreiras na Função Pública.

"Portugueses dão agora atenção aos serviços públicos, e isso é bom”

Nesta entrevista à TVI, o primeiro-ministro foi confrontado com as falhas nos serviços públicos, nomeadamente no acesso à saúde ou no processo de conseguir documentos.

António Costa admite que "há problemas para resolver" e olha para a obra feita, para os médicos e enfermeiros contratados e conta que demorou três horas para tirar o Cartão do Cidadão, numa loja em Marvila.

Para o líder socialista, os portugueses podem agora preocupar-se com o estado dos serviços públicos porque o estado do país é melhor.

“Felizmente para o país, hoje há uma nova atenção à realidade dos serviços públicos, porque há quatro anos o nível de preocupação das pessoas estava num nível diferente. Tínhamos um desemprego de 12,6%, pensões e vencimentos da Função Pública cortados, um enorme aumento de impostos, as pessoas viviam numa angústia e numa incerteza permanente, por isso, davam pouca atenção ainda a qual era a realidade. Hoje, felizmente, graças a termos resolvido essa questão essencial, que era as pessoas estabilidade e confiança no dia a dia, dão agora nova atenção e exigência aos serviços públicos, e isso é bom”, argumentou.

Liberdade de voto na eutanásia

Em relação à legalização da eutanásia em Portugal, tema que o Bloco de Esquerda promete trazer na nova legislatura, António Costa diz que o PS vai dar liberdade de voto aos seus deputados.

“O PS decidiu quando foi esse debate que era uma questão de consciência de cada um dos seus deputados, assegura a liberdade de voto, mas não tem uma posição de partido sobre essa matéria e respeitaremos e daremos liberdade aos deputados do Partido Socialista para votarem em consciência como entenderem sobre essa matéria”, garantiu.


legislativas 2019 promosite
Últimaslegislativas 2019
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ze
    29 ago, 2019 aldeia 11:04
    Será que o PS terá condições de governar sózinho em minoria?
  • ze
    29 ago, 2019 aldeia 08:34
    O PS não terá maioria,e vai-se coligar com quem? Com o PSD? ou com o CDS?.O povo já aprendeu a não dar maiorias, e muito menos absolutas,os partidos têm de se entender.Acho que este sistema tem de se alterar.menos deputados,menos impostos,redução do iva na electricidade,na água,gás e nas telecomunicações,etc,melhoria do sistema de saúde,aumentos graduais para todos os trabahadores,etc.