|
A+ / A-

Costa critica reação de Rui Rio e da Juventude Popular a despacho sobre alunos transgénero

23 ago, 2019 - 20:08

O líder do PSD "não leu o despacho" e a Juventude Popular tem uma "ideologia da desigualdade", acusa o primeiro-ministro.

A+ / A-

Veja também:


Rui Rio “não leu” o despacho com orientações sobre alunos transgénero nas escolas e a Juventude Popular tem uma “política de desigualdade”, acusa o primeiro-ministro, António Costa.

Em declarações aos jornalistas durante uma visita à Fatacil, em Lagoa, António Costa reagiu à polémica em torno do despacho que permite aos alunos transexuais escolher nome e casa de banho.

“Se ouvirmos o que dizem a Associação dos Diretores de Escolas e a Confederação de Pais, apoiam completamente o despacho. De quem ouvimos as críticas? Temos visto críticas por parte da Juventude Popular, que tem uma ideologia da desigualdade, e depois o dr. Rui Rio, que não leu o despacho, porque se tivesse lido o despacho não dizia seguramente aquilo que disse, visto que o que ele diz que o despacho diz, não diz.”

O primeiro-ministro defende que as novas orientações dão resposta a “situações dramáticas” de discriminação de alunos transgénero nas escolas portuguesas.

“Nos últimos dias, temos visto muitas mães e pais a relatarem situações dramáticas que os seus próprios filhos viveram e experienciaram pelo facto de as escolas, por falta de orientação, de definição legal, não poderem atribuir diplomas a alunos que tendo se inscrito com um nome concluíram o curso com outro nome, porque entretanto tinham mudado de género”, disse António Costa.

O chefe do Governo desvaloriza uma petição a pedir a suspensão do despacho e considera que “aquilo que hoje acontece é uma situação de pacificação, de tranquilização, de respeito de cada um pelos outros e pela sua própria identidade”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.