|
A+ / A-

Rui Rio. Governo "eleitoralista" não sai beneficiado da greve dos motoristas

19 ago, 2019 - 20:49

Líder do PSD critica a atuação do executivo de António Costa no braço de ferro entre motoristas de matérias perigosas e as empresas do setor.

A+ / A-

O Governo não sai beneficiado da greve dos motoristas, por ter assumido uma postura "eleitoralista e não de serviço ao cidadão", disse esta segunda-feira o presidente do PSD, Rui Rio.

Em Caminha, à margem de uma visita à exposição Arte da Leira, na Serra d'Arga, Rui Rio acrescentou que "uma grande parte do problema existiu" porque o Governo estava fixado nas legislativas de 6 de outubro.

"Não acho nada que o Governo saia beneficiado", sublinhou, frisando que o conflito poderia "seguramente" ter sido resolvido mais rapidamente.

Além disso, disse que "uma greve nunca beneficia os portugueses" e "o Governo só deve sair beneficiado quando os portugueses saem beneficiados".

Para o líder do PSD, o problema prolongou-se porque o Governo quis tirar "benefícios eleitorais", optando por "servir o PS" em vez de servir o país.

"Ficou claro que grande parte do problema existiu porque o Governo se aproveitou do problema para tentar benefícios eleitorais", afirmou.

Para Rio, o Governo optou pela "dramatização" e por "montar um circo" à volta da greve dos motoristas de matérias perigosas, tendo-se colocando do lado da entidade patronal, em detrimento dos motoristas,

"O que o Governo tentou, foi à custa da greve dos motoristas, tirar popularidade para si próprio. Quando abandonou essa postura e se tornou um bocado mais isento, em 48 horas a greve terminou", disse ainda.

Para Rio, o Governo "não estava interessado em resolver mais cedo" o conflito, mas quando a greve se começou "a agudizar, teve de recuar e assumir uma posição equidistante".

O líder do PSD disse que o Governo "estava completamente articulado com a entidade patronal para ter dividendos eleitorais".

"Era o Governo a servir o PS e não a servir o país", apontou.

O primeiro-ministro anunciou a intenção de declarar o fim da crise energética, decretada há nove dias, pelas 24h00 desta segunda-feira, assim como extinguir a Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA) exclusiva e aumentar o limite máximo de consumo de combustível pelos particulares para 25 litros, a partir das 10h00.

"O Governo não era parte neste conflito, portanto não ganhou nem perdeu. Cumpriu a sua função de assegurar que o país respeitasse o direito à greve que era fundamental respeitar e que, por outro lado, pudesse continuar a funcionar dentro da normalidade possível. Foi um grande sinal de maturidade do país", disse, fazendo agradecimentos aos serviços públicos "que contribuíram para o planeamento", às Forças Armadas e forças de segurança "pelo serviço extraordinário" e aos parceiros sociais por "ultrapassarem o conflito e chegarem a nova fase de diálogo".

O Conselho de Ministros declarara em 9 de agosto a situação de crise energética, para o período compreendido entre as 23h59 desse dia e as 2359 de 21 de agosto, para todo o território nacional.

A situação de crise energética teve como objetivo garantir os abastecimentos energéticos essenciais à defesa, ao funcionamento do Estado e dos setores prioritários da economia, bem como à satisfação dos serviços essenciais de interesse público e das necessidades fundamentais da população durante a greve dos motoristas.

Foi também constituída a REPA, integrando postos de abastecimento exclusivo para entidades prioritárias e veículos equiparados, como Forças Armadas, forças de segurança, proteção civil, emergência médica ou transporte público de passageiros e uma rede para abastecimento público com bombas abertas ao público em geral, mas com restrições na quantidade de abastecimento.

A greve dos motoristas de pesados começou em 12 de agosto por tempo indeterminado. Quinta-feira, o Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) desconvocou a paralisação, mas o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas manteve-a e só a desconvocou o protesto domingo, após um plenário de trabalhadores.

Para a próxima terça-feira está marcada uma reunião no Ministério das Infraestruturas e Habitação, em Lisboa, para a retoma de negociações entre a associação patronal Antram e o SNMMP.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    20 ago, 2019 Lisboa 11:58
    Tenho as minhas dúvidas: não só manteve os depósitos preenchidos e o País a funcionar, como cortou as asas ao Pardal, que mais que os motoristas - que escolheram o pior porta-voz que podiam ter escolhido - era uma das pessoas mais odiadas por cá. O PSD este de férias sem nunca dizer ao que vinha, e só apareceu timidamente no último dia quando era evidente a "vitória" do governo. Montaram um circo? Era à Oposição que competia a desmontagem desse circo. E mais uma vez primaram pela ausência. Vir agora em "controlo de danos" a dizer que não é assim, é escavar um buraco ainda maior para se enterrarem