A+ / A-
Dia Mundial da Ajuda Humanitária

Já morreram 57 trabalhadores humanitários em 2019, ONU diz que é uma profissão “cada vez mais perigosa”

19 ago, 2019 - 23:05 • Redação com Lusa

A secretária-geral adjunta da Organização das Nações Unidas para Assuntos Humanitários, Ursula Mueller, disse que o número de vítimas é demasiado grande, com “demasiados trabalhadores humanitários a fazer o sacrifício máximo".
A+ / A-

Cinquenta e sete trabalhadores humanitários morreram desde o início deste ano em ataques que atingiram um total de 156 destes profissionais, depois de 2018 ter sido o segundo ano mais violento, segundo a Organização das Nações Unidas.

Até agora, em 2019, um total de 156 trabalhadores humanitários foram vítimas de ataques, com 57 mortos, 59 feridos e 40 raptados, disse esta segunda-feira a secretária-geral adjunta da Organização das Nações Unidas para Assuntos Humanitários, Ursula Mueller. Os dados foram revelados em Nova Iorque, no Dia Mundial da Ajuda Humanitária, para assinalar o trabalho diário dos mais de 500 mil profissionais que se dedicam à ajuda humanitária, dos quais 40% são mulheres, que correm riscos para socorrer pessoas vulneráveis.

O ano passado foi o segundo mais grave para os trabalhadores humanitários, depois de 2003, tendo-se registado um total de 405 vítimas de ataques: 131 mortos, 144 feridos e 130 raptados.

Ursula Mueller passou várias mensagens de como está “cada vez mais perigoso” realizar ajuda humanitária, devido a violações das leis e direitos internacionais. Desde 2003, mais de 4.500 trabalhadores em missões humanitárias ficaram feridos, foram detidos, raptados ou mortos, o equivalente a 280 atacados por ano.

As Nações Unidas assinalam o dia 19 de agosto como o Dia Mundial de Assistência Humanitária em homenagem aos que perderam as suas vidas em Bagdad, em 2003. A data assinalada sob o lema “Uma Humanidade” marca o aniversário do bombardeamento da sede das Nações Unidas, onde morreram 22 funcionários da ONU incluindo o chefe da Missão, o brasileiro Sérgio Vieira de Mello.

Ursula Mueller disse que o número de vítimas é demasiado grande, com “demasiados trabalhadores humanitários a fazer o sacrifício máximo”.

Este ano, o Dia Mundial da Ajuda Humanitária é especialmente dedicado às mulheres, tendo a ONU lançado uma campanha de partilha de histórias no feminino para honrar e incentivar o trabalho das assistentes humanitárias.


legislativas 2019 promosite
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.