|
A+ / A-

"Vamos continuar a greve", diz presidente do sindicato dos motoristas

16 ago, 2019 - 10:09 • Marta Grosso

"Estamos aqui duros como o aço", garante Francisco São Bento.

A+ / A-

Veja também:


O presidente do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas, Francisco São Bento, anunciou nesta sexta-feira que a greve vai continuar "como até agora", apesar de o sindicato de motoristas de mercadorias gerais ter desconvocado o protesto.

"Vamos continuar nos mesmos moldes", afirmou aos jornalistas, acrescentando que a paralisação continuará "até que se chegue a um entendimento".

“A partir de agora, vamos continuar a apelar a esta mediação. Sabemos que é possível legalmente, está definido no Código do Trabalho, portanto vamos continuar a aguardar que esta mediação possa surgir a qualquer momento”, adiantou em Aveiras de Cima, junto à Companhia Logística de Combustíveis (CLC).

“Vamos continuar também a ter os trabalhadores a prestar os serviços mínimos que foram requisitados, as oito horas diárias”, disse ainda Francisco São Bento, acrescentando que o sindicato se irá reunir “com os associados em breve” para “ouvir as suas opiniões”.

“Mas, neste momento, estamos dispostos a continuar por um mês, seis meses, um ano", sublinha o presidente do Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas.

Estamos nesta greve com determinados pressupostos e "não vamos levantar a greve até que eles sejam atendidos", justifica.

“Temos dito deste o início que estas empresas sobrevivem sobre as 14, 15, 16 horas que estes trabalhadores fazem diariamente e é exatamente isso que vamos comprovar. E estamos dispostos a seguir nestes pressupostos durante um mês, seis meses, um ano até que se decidam sentar à mesa”, reforça.

Se a Antram “não se quer sentar à mesma mesa que o sindicato”, não há problema, acrescenta Francisco São Bento, dado que o Governo “pode fazer a mediação".

Quanto à desconvocação da greve por parte do Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) na quinta-feira, Francisco São Bento referiu que ainda não falou com um responsável desse sindicato.

"Iniciámos um processo negocial conjunto, apresentámos um pré-aviso conjunto, mas ainda não conseguimos falar com o SIMM. Possivelmente, devem estar ocupados e não tiveram oportunidade de falar connosco", referiu.

Mas, mesmo com esta baixa, o líder do SNMMP considera que os motoristas de matérias perigosas não estão sozinhos.

“Não, não estamos isolados de algum modo. Nós temos os trabalhadores mobilizados, continuam a acreditar, da mesma forma que a direção acredita. E quero aproveitar para agradecer publicamente por continuarem a acreditar. Não se deixem vergar, estamos aqui duros como o aço”, garantiu.

A greve dos motoristas de matérias perigosas chega hoje ao quinto dia.

Na quinta-feira (ontem), o Governo ainda anunciou que iria nomear um mediador para tentar terminar o conflito, mas horas depois veio dizer que o processo de mediação não era viável.

A Antram, por seu turno, reiterou que, se os sindicatos desconvocarem a greve, aceita reunir-se.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 16 ago, 2019 13:09
    Durante dois períodos, anteontem e ontem, quem ouviu o ministro das Infraestruturas deve ter ficado com a ideia que a NORMALIDADE tinha regressado. " ACORDOS HISTÓRICOS ", disse ele. Ora pelo que vejo afinal a normalidade é ANORMAL, pois continua a GREVE. Gostava de dizer a estes que se VANGLORIAM dos acordos ACORDADOS que deviam ter mais RECATO, pois esta greve ao opor PATRÕES/EMPREGADOS vimos governantes a fazerem, talvez erradamente, o que não deviam fazer, isto porque quando assistimos a greve que opôs MÉDICOS/ESTADO ( GOVERNO ), não vi estes mesmos governantes REQUISITAREM CIVILMENTE os Médicos e colocarem os Médicos MILITARES a suprir essa falha. Hoje vimos MILITARES e OUTRAS a conduzirem CAMIÕES PARTICULARES e na altura vimos os UTENTES do SNS a irem aos hospitais PARTICULARES. Hoje vimos os POSTOS GASOLINEIROS a serem normalizados. Na altura vimos as CIRURGIAS serem canceladas e sem serem NORMALIZADAS. Hoje vimos tudo a ser tratado com POMPA e CIRCUNSTÂNCIA e na altura vimos as CONSULTAS a serem adiadas e as esperas a serem AUMENTADAS EM ANOS. Assim senhor ministro de HISTÓRICO só se for o seu PROTAGONISMO, porque de RESPONSABILIDADE nada feito. Já agora deixe que pergunte, qual ou porque motivo as SENHORAS que costumam vir falar a(os) alguns Portugueses sobre tudo e contra ALGUNS, ainda não APARECERAM? Estão em BANHOS MARÍTIMOS ou em banho MARIA?
  • José Joaquim Cruz Pinto
    16 ago, 2019 Ílhavo 11:10
    O São Bento quer agora que S. Bento seja um pombal (de pombos-correio). Para isso, já clama por outra (a terceira) requisição civil - a da ANTRAM - porque o Governo, esse, já foi requisitado!