A+ / A-

Sindicato dos motoristas e Governo reúnem-se esta sexta-feira à tarde

16 ago, 2019 - 16:11

Greve será suspensa se os motoristas de matérias perigosas iniciarem um processo negocial com a Antram, refere o presidente do sindicato.
A+ / A-

O Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) reúne-se esta sexta-feira à tarde com o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, a convite do governante.

O presidente do SNMMP, Francisco São Bento, e o advogado Pedro Pardal Henriques entraram no Ministério das Infraestruturas pelas 16h14.

"Vamos verificar se há condições para negociar e à partida estão criadas. Se estas condições existirem, prestaremos mais declarações", disse Francisco São Bento.

O responsável esclareceu que esta primeira reunião não implica a suspensão da greve, que apenas de irá efetivar quando se iniciarem negociações com a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodovários de Mercadorias (Antram).

"Quando se iniciar a reunião de negociações, a greve fica suspensa até meia-noite de domingo", esclareceu.

Avanços e recuos

O SNMMP admitiu esta sexta-feira ao início da tarde "suspender" a greve e marcou um plenário para domingo. A paralisação será suspensa temporariamente "a partir da hora de início da reunião a ser convocada pelo Governo", referiu então o sindicato, em comunicado.

Essa suspensão "produzirá os seus efeitos temporários até ao plenário nacional de motoristas de cargas perigosas, marcado para o próximo domingo, momento em que os motoristas irão decidir pelo seu futuro".

Durante a manhã desta sexta-feira, o presidente do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas, Francisco São Bento, tinha afirmado que a greve ia continuar "como até agora",

“Não, não estamos isolados de algum modo. Nós temos os trabalhadores mobilizados, continuam a acreditar, da mesma forma que a direção acredita. E quero aproveitar para agradecer publicamente por continuarem a acreditar. Não se deixem vergar, estamos aqui duros como o aço”, garantiu Francisco São Bento.

O ministro do Ambiente e da Transição Energética, Matos Fernandes, anunciou esta sexta-feira que o número de postos de abastecimento pertencentes à rede REPA (Rede de Emergência de Postos de Abastecimento) exclusiva – ou seja, aqueles onde apenas os veículos prioritários podem colocar combustível – vai ser reduzido para metade.

Assim, os 52 postos atuais onde apenas os prioritários podem abastecer, “até ao final do dia passarão a 26. Ou seja, metade”, disse Matos Fernandes em conferência de imprensa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Pedro Lima
    16 ago, 2019 16:20
    Toca a desatar o nó ...