Tempo
|
A+ / A-

Facebook assume que ouviu mensagens de voz dos utilizadores

14 ago, 2019 - 11:22 • Redação

O gigante das redes sociais pagou a centenas de funcionários externos para transcrever conversas de áudio enviadas no Messenger.

A+ / A-

O Facebook admitiu que pagou a centenas de funcionários externos para ouvir e transcrever conversas áudio do Messenger, noticiou a Bloomberg.

A informação foi revelada por fontes com conhecimento de que este trabalho estava a ser feito. Os funcionários, que pediram anonimato com medo de serem despedidos, dizem que não sabiam a origem dos áudios nem o objetivo das transcrições, o que fez com que alguns dos trabalhadores começassem a ficar desconfiados.

A rede social confirmou a prática, acrescentando que "assim como a Apple e a Google" pararam a "revisão humana de áudio há mais de uma semana". Os utilizadores afetados teriam sido os que optaram pela ferramente que permite a transcrição de mensagens de voz. Os trabalhadores externos estariam a verificar se a inteligência artificial do Facebook estava a interpretar corretamente as mensagens.

A Apple conifrmou este mês que vai deixar de escutar as conversas dos utilizadores de iPhone, na mesma altura em que a Google foi obrigada a suspender a prática de análise de comandos/conversas registadas no assistente digital da empresa.

Em abril, a Amazon também admitiu recorrer a este tipo de trabalhos externos para transcrições de áudios, noticiou a Bloomberg na altura.

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, já tinha negado alegações de escutas áudio. "Está a falar de uma teoria da conspiração, que anda por aí, que diz que nós ouvimos o que se passa nos vossos telemóveis e usamos essa informação para publicidade. Nós não fazemos isso" disse Zuckerberg ao senador americano Gary Peters, em abril de 2018.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.