|
A+ / A-

GNR nega detenções e diz que motoristas “decidiram voluntariamente cumprir o serviço”

14 ago, 2019 - 19:17 • Redação

Sindicato alegava que motoristas tinham sido levados até às instalações da CLC, em Aveiras, para cumprirem os serviços mínimos e que lista de eventuais detidos chegava às "40 ou 50" pessoas.

A+ / A-

A GNR esclarece, em nota enviada às redações ao final da tarde desta quarta-feira, que não houve qualquer trabalhador detido por alegado incumprimento da requisição civil ou dos serviços mínimos.

A Guarda Nacional Republicana reconhece que “quatro trabalhadores" foram "notificados de que a sua não comparência no local de trabalho constituía a prática do crime de desobediência”.

“Perante este facto decidiram voluntariamente cumprir o serviço para o qual estavam nomeados. Assim, não se encontra nenhum trabalhador detido", pode ler-se no texto enviado à comunicação social.

Este esclarecimento contradiz as declarações do porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Transportes de Mercadorias Perigosas (SNMMP), Pedro Pardal Henriques, que alegava que dois motoristas que não tinham cumprido a requisição civil tinham sido "detidos em casa e forçados a trabalhar".

“Dois elementos foram detidos em casa para virem para as instalações da empresa obrigados, caso contrário seriam levadas para a esquadra. Vamos ver se têm condições para pegar no camião”, afirmou o também vice-presidente do SNMMP.

De acordo com o responsável, a lista de eventuais detenções de motoristas que se recusaram a serviços mínimos ou à requisição civil chega aos “40 ou 50” elementos.

“Trabalhos forçados”, diz Pardal Henriques

“Espero que haja mais motoristas detidos, depois não vai haver motoristas para guiar camiões. É triste, é o país que temos, o Governo que temos”, declarou Pardal Henriques.

O porta-voz acusou o despacho que deu origem à requisição civil de ser “ilegal”, por não determinar a entidade que a fiscaliza, e diz que o documento deu origem à “detenção de pessoas que nem estavam afetas” a essa situação.

"Qual é o português que tem condições para trabalhar nestas situações? Os motoristas não recebem, ninguém ouve e age na salvaguarda dos direitos deles. É trabalho forçado, como na escravatura”, sublinhou.

[notícia atualizada às 20h32 - com o comunicado da GNR]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.