A+ / A-
Polémica "Team Strada"

McDonald’s suspende campanha com Hugo Strada

13 ago, 2019 - 10:25 • Daniela Espírito Santo

Cadeia de "fast food" garantiu à Renascença ter decidido suspender vídeo no Youtube “até estarem totalmente esclarecidas as acusações dirigidas a Hugo Strada”, líder e gestor da Team Strada. JD Sports, patrocinadora da tournée do grupo, também já se pronunciou.
A+ / A-

A cadeia de "fast-food" McDonalds confirmou à Renascença que “optou por suspender” um vídeo “de uma campanha” que estava a decorrer no Youtube que tinha como convidado Hugo Strada, o "youtuber" e promotor que está a ser investigado pelo Ministério Público.

“Até estarem totalmente esclarecidas as acusações dirigidas a Hugo Strada, que gere o grupo de youtubers 'Team Strada', a McDonald’s Portugal optou por suspender um vídeo de uma campanha que estava a decorrer no YouTube, que tinha como convidado Hugo Strada”, diz a empresa, numa declaração enviada à Renascença.

O vídeo em questão faz parte de uma campanha chamada “à boleia by McDonald’s”, na qual participam várias celebridades e que tinha em Hugo Strada o primeiro convidado.

Esta não foi, no entanto, a primeira colaboração da "Team Strada" com esta marca, que já tinha usado as imagens de duas das jovens que integram o grupo para promover uma votação relacionada com cupões de desconto.

À Renascença, a marca assegura que, neste momento, já não tem “qualquer parceria a decorrer com o grupo de Youtubers”. “Esperamos que o assunto seja resolvido com a máxima brevidade pelas entidades competentes”, declara a empresa.

Hugo Strada, 36 anos, esteve no centro de uma polémica, recentemente, depois de ter beijado na boca um jovem de 16 anos em direto no programa “Curto Circuito”. O jovem integra a chamada “Team Strada”, um grupo de jovens “youtubers” liderados por Hugo.

A Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção de Crianças e Jovens (CNPDPCJ) recebeu uma denúncia, tendo determinado que, perante “situações que podem consubstanciar perigo” para os menores que colaboram com Strada, o melhor seria encaminhar o caso para a Procuradoria-Geral da República para investigação.

Desde então, e como foi confirmado à Renascença, a CNPDPCJ deixou de “pronunciar-se publicamente sobre o assunto”, tendo em conta que “o processo se encontra agora nos órgãos de investigação competentes”.

Nas redes sociais, o debate continua. Muitos jovens defendem a “team” que acompanhavam no Youtube (e cujo canal foi, no entretanto, suspenso) e prometem continuar a ser “strader” (nome dado a quem segue o grupo), enquanto outros denunciam relatos de comportamentos impróprios do "youtuber" em vídeos e fotografias com menores do grupo e fãs.

Empresas desmarcam-se da associação com Team Strada

Muitas foram, ao longo dos tempos, as marcas e artistas que foram aparecendo associadas às publicações da Team Strada nas redes sociais. Desde espetáculos para que foram oficialmente convidados a marcas de roupa e calçado que usaram, a artistas que se associaram aos seus membros para eventos pontuais e, até, videoclips, a Team Strada parecia estar no topo e a aproveitar a fama.

Agora, perante a polémica, poucas são as marcas que aceitam sequer falar da sua ligação à chamada Team Strada, com a maioria a optar pelo silêncio nas redes sociais.

A McDonald’s foi uma das poucas a responder aos pedidos de esclarecimento. Já a JD Sports, patrocinadora da tournée da Team Strada por Portugal e que tem em Hugo Strada o seu embaixador oficial no país, garantiu à Renascença que apenas “utiliza pontualmente a imagem de celebridades e influenciadores de vários campos como parte da sua estratégia digital” e que a escolha destas celebridades “é estritamente baseada em critérios de marketing”.

“De todos eles pressupomos um comportamento ético, concordante com os valores da JD”, é dito.

O livro “Team Strada - Tudo Revelado!” continua, igualmente, à venda nas principais livrarias físicas e online.

Também a tourneé “100k”, onde a equipa interage com os fãs e mostra a placa comemorativa dos 100 mil seguidores que recebeu do Youtube, parece ainda não ter sido cancelada. Na Ticketline, por exemplo, continuam disponíveis para venda bilhetes para o evento no Porto, no Hard Club, e em Lisboa, no Auditório do Alto dos Moinhos. A Renascença também tentou contactar as salas em questão, sem sucesso.

Youtube reage rápido, Instagram nem tanto

Após a decisão, o canal da Team Strada no Youtube, que contava com mais de 189 mil seguidores, foi suspenso. A decisão partiu da plataforma da Google.

“Qualquer conteúdo que possa colocar em risco menores de idade não é aceitável para nós e sempre tivemos políticas claras de segurança de crianças. Encerramos imediatamente este canal de acordo com as nossas políticas”, foi dito pelo Youtube, numa declaração oficial.

No Instagram, no entanto, tanto a conta da Team Strada como a de Hugo Strada continuam ativas.

Com mais de 140 mil seguidores, a conta oficial da equipa liderada por Hugo não tem nenhuma publicação nova desde 16 de julho, mas vai partilhando regularmente, via Instagram Stories, as mensagens de apoio que vai recebendo dos seus fãs e deixando recados a quem lhes “fez mal”.

“A internet tem coisas boas e coisas más. O melhor da Internet chegou até nós como presente e não, isso não vai ser bom para vocês (culpados). O único lado bom de estarmos rodeados de cobras é que elas se traem umas às outras”, pode ler-se numa das publicações instantâneas mais recentes. Numa das “stories” partilhada recentemente, a conta pedia aos mais jovens para mostrarem as publicações aos “pais e familiares”. “Em breve a verdade vai ser reposta e a justiça vai ser feita”, é dito.

Já a conta de Hugo Strada, que era muito ativo no Instagram e já tem mais de 174 mil fãs, também continua ativa, mas passou a ser privada e apenas acessível a quem o segue.

A Renascença tentou entrar em contacto a chamada “Team Strada” por email, mas não obteve qualquer resposta até ao momento.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.