|
A+ / A-

Migrantes lembrados em Fátima. “Líderes políticos fecham-se cada vez mais ao diálogo e à paz”

13 ago, 2019 - 12:36 • Teresa Paula Costa

O cardeal canadiano Marc Ouellet, que preside às celebrações de Agosto em Fátima, desafia os migrantes e refugiados a serem "missionários da Paz".

A+ / A-

O Cardeal Marc Ouellet lamentou esta terça-feira que muitos líderes políticos se fechem ao diálogo e à paz e apelou aos migrantes e refugiados que sejam eles mesmos missionários da paz.

Na homilia desta peregrinação nacional do migrante e refugiado, em Fátima, o Prefeito da Congregação para os Bispos considerou que apesar de ser “contemporânea da primeira guerra mundial e do seu epílogo revolucionário na Rússia, a mensagem de Fátima permanece mais atual do que nunca, porque nuvens carregadas pairam sobre o planeta e nós não sabemos o que nos reserva o amanhã.”

“Ainda que o Santo Padre venha multiplicando as iniciativas e assumindo a defesa dos mais vulneráveis, muitos são os líderes políticos que se fecham cada vez mais ao diálogo, à compaixão e à paz”, alertou o Cardeal, admitindo que “sentimo-nos totalmente impotentes na conjuntura atual da história”, pelo que “levantamos o nosso olhar para Nossa Senhora”.

“O nosso olhar sobre Maria e o olhar de Maria sobre nós”, salientou Marc Ouellet, “fazem de nós novas criaturas, homens e mulheres de esperança, peregrinos que, de repente, sentem que o fardo é mais leve, pobres que, repentinamente, param de se queixar e começam a ter compaixão pelos que são mais vulneráveis e sofredores.”

Reconhecendo que “pode parecer excessivo pedir a pessoas desprovidas de quase tudo que sejam missionárias”, o cardeal perguntou aos presentes “o que levaremos aos nossos irmãos e irmãs quando regressarmos desta peregrinação? Lembranças? Objetos?” E respondeu “sim, haverá certamente lugar para tudo isto, mas também para nos decidirmos tornar apóstolos ativos ao serviço do Príncipe da Paz”, pois “não somos nós ricos de fé e de esperança?”

Por isso, pediu que os peregrinos retomassem o seu caminho “com um espírito novo e novas energias para transformar os infortúnios e buscas em aventura missionária”, pois “somos capazes de uma caridade que será cada vez mais fervorosa, mais paciente e criativa, para que encontremos a nossa alegria e a nossa salvação não apenas quando as nossas preces são atendidas, mas também na alegria de servir os nossos irmãos e irmãs”.

Subordinada ao tema “Não são apenas migrantes”, esta peregrinação nacional do migrante e refugiado esteve inserida na peregrinação aniversária de agosto que trouxe ao Santuário de Fátima milhares de peregrinos, muitos deles emigrantes portugueses que se encontram de férias no país.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.